Condenação

Condenação

Selamos o tempo
Congeminamos teorias
Inquirimos o nosso intimo
Apenas uma pergunta
Uma única questão
Sem qualquer resposta
Sem qualquer razão
Porquê?

Rebobinamos passados
Procuramos, revemos
Nada, sem hipótese
Nem uma ínfima teoria
Porquê?
Que prepósitos ocultos?
Que esperanças?
Que ideias, que desejos?
Que quebra de algo
Que não descortinamos?
Porquê?
Que factos
Provas
Acusações
Peculato
Desrespeito
Falta de amizade
Civismo
Humanidade
Porquê?
Nada
Condenado
Sem acusação
Sem julgamento sumario
Assim está
Um poeta
Que até ontem
Era amado!

Alberto Cuddel®
23-05-2016

Movimento

Movimento

Era apenas uma ausência
Ausência de som, ruido
Uma ausência de movimento
Não carburava, não consumia
Apenas nada… Oxidação metálica…
Nada é perpétuo, nada se basta…
Quando acaba, nada… Apenas nada…
Dói-me que assim seja.
Que seja apenas memória
Uma visão inglória
Mas agora, agora nada…

Pyxis de Andrade
12/02/2021

Foto cedida por:
João Gomez photography

Rostos de pedra (o amor eternizado no suor)

Rostos de pedra (o amor eternizado no suor)

fosse em nós memória o abraço e o beijo
do que prometido fora, sem nuca ter sido
rege-se o amor pela solidez da pedra
inabalável na alma, irrealizável no corpo
levado contigo às tabuas do tempo…

no abraço que o querer nos revelou
nesse que o teu suicido nos roubou
essa esperança de ser corpo o sentir
essa volúpia do querer, onde fugir?

quantos foram os desejos e promessas?
arte nossa do tesão, orgasmos partilhados
mãos minhas, pensamentos teus
palavras nossas, desejos e beijos meus…

nos rostos de pedra a saudade do tempo
um abraço prometido, um beijo por dar
o musgo húmido que nos cresce nos pés
o verde da esperança que nos ladeia
morre sob o azul do tempo, sob as rosas
que ontem te depositei no tumulo…

hoje apenas choro, tudo o que podia ter sido
e no meu medo egoísta eu sempre recusei…
saudade do que podia ter sido e nunca foi
amo-te, amar-te-ei eternamente…

Pyxis de Andrade
29/01/2021
02:51

Desafio 11 de Ruth Collaço
Foto gentilmente cedida por:

@joão Gomez Photography

Prende-me a ti…

Prende-me a ti…

algema-me, tem-me ali…
diante de ti, à mercê dos teus caprichos
despe-me dos dias e da vida
despe-me o corpo, percorre-me a alma…

venda-me… toca-me, sente-me
sente o meu pulsar de desejo
a minha vontade de te ter
de te possuir por inteira
bebe-me, bebe-me longamente
sem pressas, sem mansidão
como que a saborear a memória
nessa firmeza fálica do querer que me impões…
bebe-me…

cavalga em mim noite fora
como numa corrida de longa distância…
em trote firme, mas sem que se perca o folego…
desprende-me, desvenda-me…
deixa que te possua…
porque a alma essa
já é eternamente tua…
vem-te… vem-te comigo
em mim…

Tiago Paixão
03:34 26/12/2020
a fúria da saudade

Tenho saudades… das noites, das manhãs… do sempre e do nunca…

Tenho saudades… das noites, das manhãs… do sempre e do nunca…

tenho saudades de ti e de nós
da roupa esquecida no chão
do beijo interminável
do silencio húmido dos nossos lábios

tenho saudades do sonho, da promessa
do que foi e do que teria sido
do acordar junto, do adormecer exausto
tenho saudades do que ainda nem foi…
tenho saudades dos nossos orgasmos
dos sentidos, dos gemidos em surdina
e dos que ainda apenas imaginamos…

tenho saudades de te despir a alma no beijo
o corpo nos dedos, peça a peça, a cada palavras
a cada gemido consentido…
tenho saudades de ti e de mim, de nós, de mim em ti…

Tenho saudades dos teus seios, dos beijos na nuca
De te abraçar de conchinha… de te sentir o corpo, a pele…
Tenho saudades de nós… do que fomos, do que somos e sonhamos…

Quero-te…
Loucamente quero-te…
Hoje, amanhã, ou depois…
Não importa quando, onde, como…
Mas sei que te quero…

Tiago Paixão
20:37 19/12/2020
a fúria da saudade

Lembrar-te-ás que eu desejo-te…

Lembrar-te-ás que eu desejo-te…

lembrar-te-ás que todo eu sou tesão na alma
que todo o meu ser te deseja possuir loucamente
que esta fome, esta sede de ti mesma, é sentir pleno
quiçá um amor efervescente que me brota do estomago…

quero-te como se loucamente se pode querer
sem pudores, despida de verbos e de pudores
quero possuir-te nos lábios, na boca
quero sentir o teu orgasmo na língua
quero o teu corpo sob o meu, o teu movimento
sentir-me todo em ti, em longas estocadas
amplo movimento do quadril…

quero rebolar em ti, ter-te por baixo, por cima
de frente e de trás, quero-te possuir ali… ali mesmo…
pode ser amor, que seja, desejo, tesão, paixão, que seja…
mas que seja foda, que não se esqueça, que se repita
que venham os ancores e as vénias…
que venham os beijos e as repetições
que venham as loucuras da boca
que nos sorvamos loucamente…
sincronizemos o desejo, o batimento cardíaco
sincronizemos o movimento, encontremos o “g” da questão…
massajar-te-ei o ego, entregar-te-ei a ti o orgasmo nascido na alma…
depois abraçar-te-ei e beijando conversaremos…
quiçá te confessarei, que te amo, que te amo como ninguém…

Tiago Paixão
5:30 – 26/11/2020
A fúria da Saudade

Na loucura furiosa do sonho…

Na loucura furiosa do sonho…

fossem nas memórias sentidas como reais
esse louco tesão do pensamento entre odores e desejos
todas as imagens loucamente imaginadas
sentida nas palavras partilhadas, no toque dos dedos
quero-te aqui, apenas aqui, sem esperança vã
sem pensar o amanhã ou o depois
quero-te amar, na loucura do sexo
quero foder-te, oferecer-te todo o prazer
esse que sentiste e todo o outro que desejaste…

quero arrancar-te do pensamento
quero o teu cheiro no corpo,
o teu sabor nos meus lábios
o teu gozo na minha boca
quero-te minha, apenas minha
e arrancar do meu corpo
da minha alma, dos meus dedos
esta saudade que doi, que magoa e chama…

quero que o mundo se cure
que a nossa paixão perdure
que o corpo se rejuvenesça
que eu ame e peça
quero-te toda, de alma e vida
quero-te minha
dono e senhor de todos os teus orgasmos…

Tiago Paixão
16:58 06/01/2021
a fúria da saudade

Rasga-me a saudade no reflexo ti

Rasga-me a saudade no reflexo ti

Quero que me tenhas, que me possuas
Que fique em ti gravado na eternidade o meu perfume
Quero o meu sabor nos teus lábios,
O meu suor no teu corpo, quero-me em ti…

Que no teu peito me sintas, como teu
Aprisionado na alma, no coração
Apenas como teu, não fruto proibido de uma noite
Mas uma verdade absoluta do sentir
Uma noite de amor, eterna, sem dormir…

Que o sol desvirgine a madrugada
Que rasgue os lençóis negros da noite
Mas é em ti que permaneço
Mesmo depois de partir, depois do beijo
De todos os orgasmos prometidos e entregues
É em ti que permaneço,
Em ti que em teu peito me guardas,
Em ti que meu perfume consomes
Que te abraças à almofada fria e triste…

Rasga-me a saudade no reflexo ti
Até que regresse numa qualquer noite
Sem que me esperes…
Para que te conforte
No meu abraço…

Tiago Paixão
03:34 28/12/2020
a fúria da saudade

Sem outra palavra que não seja semente…

Sem outra palavra que não seja semente…

Sem outra palavra que não seja conhecimento
Sem outra semente que não seja mantimento
Há um mar registado na terra
Essa saudade que fica da rede e no anzol
Sob sete palmos de solo…

Portas fechadas à vida
E mulheres visitadas
E um poço ali diante da conversão
Deixada a semente, água e fonte eterna

Quando se é palavra e noite há uma lua feiticeira que nos vela
E pedra atirada que se faz angular
As letras fazem-se luz, germinam, crescem, irão florir
E as palavras amadurecer-se-ão semente…

E o amor?
Esse será alimento,
Chuva e sol
Na sementeira do poema…

Alberto Cuddel
28/11/2020
02:30
Poética da demência assíncrona…

Movimento

Movimento

Peito que se inclina,
Pernas que se movimentam
Olhares que se fixam,
Braços que se enrolam!

Sonhos partilhados
No balanço do tempo,
Amor compartilhado,
Assim vamos vivendo!

Alberto Cuddel®
27/07/2016
in: Tudo o que ainda não escrevi

Nesse olhar temeroso

Nesse olhar temeroso

olho-te, olho-te
nesse olhar temeroso
nesse medo do adormecer
saudades de uma vida plena

rasga-se-me a alma cheia
nesse olhar que irei perder
nesses olhos que não me reconhecem
nesse olhar de medo de criança
e é tão fácil arrancar-te um sorriso
tão fácil chorar, tenho medo
não por ti
mas pelo vazia que iras deixar…

olho-te, olho-te
vejo-te criança assutada
com medo de tudo e de nada
por já não saberes quem sou
pelo alheamento que tens da morte

embalsamo na alma rosas negras
laminas que me cortam as palavras
e sorrio, perante as lagrimas retalhadas
e esse olhar temeroso que me ira deixar…

Alberto Cuddel
30/08/2020
23:13
Poética da demência assíncrona…

Rosto da saudade

Rosto da saudade

eu que abandonei a saudade à sua sorte
que deixei de chorar a ressaca do corpo
envolto em teias ardilosas da vida
preso a tudo, a nada, não que não sabia…

conservam-se redes, sentado em bancos de zinco
não há pesca no canal, ou peixe a morder o anzol
embarcam num estalar de dedos, sem promessas
apenas um sorriso e sexo, ou outra coisa qualquer

há na força de amar uma esperança…
ténue, que o futuro seja amanhã
independentemente da saudade ou da força
mas que seja, que seja de verdade

há frutos a cair de maduros
não há quem os apanhe
tantos morrem de fome
por esperarem serem escolhidos
e outros cobiçando o fruto errado…

há no rosto da saudade uma esperança
uma ressaca do corpo
um silêncio por quebrar
um choro calado…

“…”
– enches mais um copo
deixas um cigarro sozinho a fumegar
ouves o tempo, passar, devagar…
o ruído do sol a nascer incomoda…

tudo é… regresso, chegada, e solta-se na ramagem a brisa
um abraço sentido, uma despedida…
e tudo está certo, porque assim tem de ser
sem mudanças, as mudanças doem…
fazem sofre, e pintas o rosto de saudade…
foges… porque na fuga vives
e ficar é morrer…

Alberto Cuddel
12/07/2020
05:21

Poética da demência assíncrona…

Ausência, partida….

Ausência, partida….

O silêncio gritante que ficou,
Depois de tua partida,
Impotência, foi o que sentimos,
Os projectos por realizar,
Os sonhos,
Os conselhos que ficaram por dar,
Sentimo-nos sós…
Vazios de ti…
Agora preenches o nosso imaginário,
Falamos e questionamos-te em silêncio,
Sabemos que estas presente,
Talvez muito mais…
Do que alguma vez estiveste…

Neste vazio que deixaste,
Que o nosso amor preenche,
E nos impulsiona – “segui em frente”,
Deixaste-te a ti, viva entre a gente,
Na face e no sentir de cada um de nós,
Podemos ouvir tua voz, saber o que pensas,
Pois moldaste-nos como o barro,
Ficou Amor,
Ficou verdade,
Ficou saudade!

Alberto Cuddel®
2015

Encontro

Encontro

Eram tantas as palavras
Soltas e perdidas nos lençóis
Esvoaçando por entre janelas abertas
Silenciadas nas paredes brancas

Estão por ai perdidas
Presas num olhar descuidado
Num raiar da aurora, num ribeiro corrente
Longe, distante, ausente

Os versos perdem-se na visão do mundo
As palavras extinguem-se na beleza do olhar
E os beijos, apenas nos mostram o doce paladar
Do sentir poético do amor
Mas até esse se perde a cada adormecer…

Alberto Cuddel
15/05/2017
17:32

Mágoa

Mágoa

há uma mágoa no teu peito
que nos adormece a paisagem
uma arma que trespassa a fome
uma vida embriagada de beijos

no perscrutar do amanhã
a vingança do beijo sangue
pássaros em ninho verde
braços abertos às águas de Julho

onde nos morrem os abraços
essa distância dos vales
onde a morte espreita
aconchego dos casebres
onde nos esperam as rugas
cartas e domino, quem sabe, remendam peúgas…

há uma mágoa que me rebenta no peito
como fonte que brota em plena Primavera
onde te mora a saudade?
Amar-te-ás depois?

Alberto Cuddel
01/06/2020
06:04
In: Nova poesia de um poeta velho

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

<span>%d</span> bloggers like this: