Diário Branco

Diário branco

Definem-me pelo tudo que tenho, sendo o eu o nada que possuo
Nem os meus pensamentos gritados ao vento são posse minha,
Perdem-se na chuva de gritos perdidos nos ouvidos do mundo,
Espero apenas que a lua se deite, para que amanheça em mim,
E por fim, descanso, do cansaço que o pensamento me causa,
Noite branca, dormente na inquietude pensante total e vazia,
Fustigam-me ideias suicidas de novos versos e reversos poéticos,
Poema inacabado, borboletas que esvoaçam perdidas no mar,
Doce imagem do teu corpo nu, vestido com a alma apavorada
Triste solidão que te conforta, no vazio silêncio que a noite dita!

Ai de ti poeta das rimas feitas e frases vazias,
Onde te deitas? Tabuas negras e frias!

Tenho mais certezas que duvidas, pois duvido de todas a certezas,
As dúvidas que me assaltam, espreme-me, esvaziam-me
Deixam-me nu, nunca me acostumo a despir-me das palavras,
Nem à ideia de que as gaivotas fogem do mar,
Ou que sejam as andorinhas a comandar a Primavera,
A casa essa está fechada, nada aberto, nem porta nem janela,
-mesmo assim duvido, que mesmo fechada vivas nela.

Nunca esperei um fim, um principio,
Tudo segue um rumo, um destino,
Um sussurro, um abafado grito,
Desdigo-me, minto, finjo
Nem de ti, nem de mim, nada dela,
Que me contas, do tempo do nada?
Porque te finges ser um tudo,
Se no tudo que do alfabeto se pesca
És meramente actor, um mero poeta!

Alberto Cuddel®

Essa insanidade que é morrer vivo…

Essa insanidade que é morrer vivo…

procuras o apogeu do nirvana no silêncio que cultivas
calas em ti esse turbilhão das palavras e ficas
ali na solidão acompanhada de um albatroz que plana
ao teu lado, como se na vida tudo fosse…
e ficas parado no movimento que te leva.

sopro de vento que se anuncia, silvo e a brisa no rosto
copa das árvores, abrigo, bando de asas fechadas
ardes por dentro ferrando os lábios, essa vontade de grito
e calas… tantas vezes calas o que dentro te revolta
até esse insuportável gemido de dor que te trespassa a espinha
mas aguentas, tu aguantas… enquanto isso ficas
na esperança da paz, enquanto no teu íntimo
geres uma guerra silenciosa que te levará…

há em nós essa insanidade de ir morrendo vivo
na esperança de ressurreição, de reencarnação longe
de um acordar em outro tempo, outro mundo
não tenho hoje memória, deste sonho?
quem sou de mim, de quanto quis ser eu.
nada de nada surge como memória do tempo que não foi vivido
podia nevar hoje, não deixaria de ser Primavera
por ser esse o tempo dela, podia ser Verão
mas nem os vivos lhe escaparão…

vivo o esforço inútil de adormecer, como se isso me aliviasse a dor
essa consciência de me saber, tempo em que me dou em penhor
roubando a vida, o que a morte reclama, dia após dia…
noite após noite…
essa insanidade de me saber a morrer ainda vivo…

Alberto Cuddel
22/11/2020
10:30
Poética da demência assíncrona…

Junto a este tronco de carvalho…

Junto a este tronco de carvalho…

Já não chove, e se chovesse quem seriamos nós de diferentes
Eu chamei-te, tu chamaste-me, viemos os dois
E olhamos a vida sem máscaras, sem distanciamentos
Apreciamos os pássaros, sozinhos, em bando
E as nuvens que correm ao vento, e falamos em silêncio
Desta vida que nos corrói por dentro
Que nos separa em dois lados, tudo tem dois lados
O lado de dentro, o de fora, o de cima e o de baixo
O lado certo e o errado, o lado da vida e o da morte
O meu lado e o teu…

Não gosto de poesia, disseste-me tu noutro dia
Não te convenço, tão pouco te confronto com a vida
Com essa que corre nos corredores dos hospitais,
Nas bibliotecas vazias, nas salas do parlamento…
Vergonha senhores, vergonha…
Tudo é porque assim é, assim é decidido, e tu discordas

Fazes bem em discordar, mas o que fazes para mudar?

Depois sentamo-nos, estamos bem aqui…

Façamos três tendas…
Fluem as palavras, rimas imperfeitas no movimento das folhas
Não há folhas no chão, o carvalho, nem caduca nem persistente
O carvalho não tem lado, perde e ganha, aprende…
Onde nos mora o sentido da conversa?
Nesta véspera de amanhã que há-de chegar
Entre o fumo da cera e do cigarro, fluem as palavras certas
Esse louvor da memória da nossa herança linguística
E Diniz? Será que dissertava para Isabel, ou outras o escutavam?

Falemos de tudo? Do néctar de baco, esse que nos aquece as orelhas e a mente
Ou dos prazeres do Eça, do exilio, desses opiáceos que no aliviam a imaginação
Aqui bem aqui debaixo deste carvalho, existimos os dois, e lá?
Para la dos limites circulares deste jardim, quem somos?
Quem sou? Quem és?

Esperemos a noite, e depois vamos, cada um para seu lado,
Porque tudo na vida tem um lado, e este é aqui, debaixo do carvalho…

Alberto Cuddel
30/10/2020
19:00
Poética da demência assíncrona…

Liberdade de escrever longamente…

Liberdade de escrever longamente…

“No dia brancamente nublado entristeço quase a medo
E ponho-me a meditar nos problemas que finjo…
(…)
Assim como falham as palavras quando queremos exprimir qualquer pensamento,
Assim falham os pensamentos quando queremos pensar qualquer realidade.”

“Poemas Inconjuntos”. Poemas Completos de Alberto Caeiro.

há no fingimento da realidade uma chuva miudinha que me turba o olhar
e penso, penso longamente do riso em riste, no punho erguido e na intolerância
não serão apenas humanos, sem catalogação de cor, raça, religião?
ou graça nessa humanidade perdida uma ignorância de lesa-a-pátria?
amaldiçoado o povo que não ri dos seus próprios defeitos, erguendo as mãos
defendendo uma fé cega da qual desconhece o fundamento…

a ideia de humanidade é minha, tão somente minha que não a evangelizo
creio que a realidade me consome as entranhas, pelo não questionamento
nua é a facilidade com que se crê, sem criticismos do que se escuta
tudo se toma pela verdade, mesmo que a mentira se escancare diante dos olhos…

já fui do tempo em que existia ciência,
em que as hipóteses de tese careciam de comprovação
hoje é uma mera questão de opinião crente…

as verdades não são perfeitas por serem escritas
mas antes por o ter sido questionadas, comprovadamente…
penso que a verdade é uma mera conclusão da irrealidade do sonho
e o mundo avança de mentira em mentira
perigosamente rumo a um passado que haviam esquecido…
reactivam-se as cameras de gás… há milhões em fila, rumo ao extermínio…
não dos corpos, mas dos ideais libertários de uma vida de pensamento livre
de uma vida com futuro…

ontem viajei o mundo mais rápido que o som, hoje não…
e calamos as vozes livres, porque elas condenam-nos…
por um bando de peçonhas que se acham donos da palavra…

“Assim como falham as palavras quando queremos exprimir qualquer pensamento,
Assim falham os pensamentos quando queremos pensar qualquer realidade.”

Alberto Cuddel
10/11/2020 1:37
In: Entre o escárnio e o bem dizer,
venha deus e escolha II

Hoje não me apetece falar

Hoje não me apetece falar

Hoje não me apetece falar, depois de mais uma mulher ter sido vítima da uma masculinidade que não aceito, de um sentimento doentio de posse que nem na escravidão admitia. Não consigo falar de amor, da vida, de beleza, quando mais alguém perde a vida, às mãos de uma sentimento e tipo de relação ignóbil.

Ainda há pouco escrevia que amar é fácil, difícil é foder, afinal, o difícil é aceitar a decisão do outro, aceitar que quando alguém está connosco esse alguém esta porque quer, e não porque nos pertence. E sobre isso recebi alguns comentários que infelizmente demosntam bem que existem homens com grandes dúvidas sobre a sua forma de agir. Que não sabem nem respeitam os desejos das mulheres, que não sabem nem aceitam o que a mulher quer na vida e ao seu lado.

Será assim tão difícil ao homem, ao ser humano aceitar que nem sempre as coisas resultam? Que ninguém é de ninguém? Para quê tanta violência?

Mas o meu pensamento hoje vai para as crianças que sem culpa de nada, por um sentimento inqualificável de homens que nem homens sabem ser deixam milhares de crianças órfãos de mãe e pai.

A. De Alberto Sousa

Violem todas as probabilidades

Violem todas as probabilidades

“É-lhe lícito escrever um poema onde se violem todas as probabilidades — logo que, é claro, a violação dessas probabilidades não implique directamente uma falha na natureza do poema, como seria, por exemplo, o anacronismo num poema histórico, o erro psicológico num drama, etc. A verdade pertence à ciência, a moral à vida prática.”

Páginas Íntimas e de Auto-Interpretação. Fernando Pessoa.

esvaziemos o mar…
pesquemos licitamente todas as aves do céu
ceifemos flores
cultivemos amores em canteiros de prata
reguemos tudo com natas…
não há na probabilidade matemática
nenhuma estatística que me confirme
nasci do amor pela certeza crente
não pela ciência humana…

tenho rasgado páginas de romances
escritos a carvão em folhas de milho
escorrem as águas no regato, nuances
de um convívio que se fez filho…

é lícito, todo o prazer humano é lícito
consentido pelos deuses em nós…

Alberto Cuddel
13/10/2020
12:55
Poética da demência assíncrona…

Para quê tanto pudor?

Para quê tanto pudor?

Existe um exacerbado pudor quando a temática é sexo, escrevo sexo e logo correm, “não é sexo poeta, é fazer amor”, desculpem? É que nem uma coisa nem outra é foder mesmo… É maravilhoso juntar o amor ao sexo, sem dúvida alguma, mas não confundamos as coisas, sexo é a forma mais intensa de dádiva e partilha, de entrega e de cumplicidade… Atenção que eu não falo do sexo egoísta em que um dos parceiros se “alivia em minutos ou segundos”. Mas de prazer físico intenso sem pudor, que dois parceiros partilham sejam qual for o sexo ou orientação de cada um. Se a essa intensidade física juntarmos a intensidade da alma, o amor, então sim tudo será pleno.

Mas para que tanto pudor? Será que alguém acha que os pais não foderam para eles nascer? Que a mãe não gemeu, que não chamou por Deus enquanto o pai lhe dava prazer? Amar e fazer sexo é algo natural, aliás sexo é mais natural que amar, ninguém entrega a vida por sexo, mas sim por amor, e isso é anti natural…

Escrevo poesia erótica, sim, não tenho pudor nisso, acho mais excitante a formação da imagem no cérebro e a capacidade de transmitir desejo e sensações, que qualquer “filme ou foto”, a poesia erótica é o preliminar da palavra, o anúncio do gesto e do prazer…

Deixem-se de pudores, e se não gostam, olha removam a amizade…

Partilho a foto sensual de um modelo masculino, como repúdio à exploração e degradação da exposição do corpo feminino como objeto sexual do machismo.

António Alberto Teixeira de Sousa

A colecção de abraços que nunca se deram…

A colecção de abraços que nunca se deram…

a brisa incerta da tarde me traz à fronte e à compreensão
a carência atroz do tempo que não findou
e a caderneta vazia, sem cromos ou memória…
Sei só que o tédio que sofro se me ajusta melhor,
um momento, como uma veste que continua a roçar numa chaga
a dor amenizada pelos beijos, não morre pela carência do receber…

há um abraço por entregar…
e nasceu o sol, e veio a manhã, depois a tarde e nem à noite…
há uma clareira aberta, onde cantam os pássaros
um lenhador solitário, casas de chocolate…
flores que irão florir e ninhos de ovos férteis
uma monotonia no ruido dos bichos…
e somos bichos,
– sou bicho…
como a carência dos bichos e fome de Primavera

tudo quanto amamos ou perdemos — coisas, seres, significações
e tudo o que nos roça a pele e assim nos chega à alma,
e o episódio não é, em Deus, mais que a brisa
mais que um leve roçar de sol na face…
e nada me faz salvo no alívio suposto,
o momento propício – um abraço com poder de beijo
um beijo com fome de prazer
e o poder perder tudo espontaneamente…

e uma colecção de abraços vazia…
com fome de vida…

Alberto Cuddel
09/08/2020
05:40

Poética da demência assíncrona…

Poética

Que se foda a poesia, as rimas e a métrica, gramática e ortografia, a poesia é vida, e a vida não se crítica, vive-se e acontece a cada vez que se despe a alma…

Estupidamente senti-me poeta sendo apenas um plágio cultural desta língua chamada “Pessoa”!

Não sei se o que escrevo é poesia, tão pouco se chegam a ser estados de alma, o que me importa é apenas uma única coisa, que quem os lê os sinta como seus…

Entardeci-me cansado, exausto anoiteci-me
Mesmo antes que o sol me rasgue o peito
Quando eu me amanhecer…

Alberto Cuddel

http://Albertocuddel.wordpress.com

Nas palavras a revoada

Nas palavras a revoada

No tudo que bafejo
Exalo a ficção do sentir
Quem sabe sonho, desejo?
Mera representação anacrónica da memória
Concepção impenetrável da alma
Vivendo por outros
Existindo em mim
Na força deprimente de não ser
Sendo todos ou ninguém…

Ódio carnal e estonteante
De mim próprio
Nos impróprios desejos da carne
Meu ser desastrado que nos odeia,
E ama em segredo na noite
De todas a mulheres do mundo
Maria!

Incompleta visão, destemido
Em todo o mistério oculto
Afinidade e concisão rogo
Genuflectido ao teu poder
Imploro a cada dia – amor
Um mero torpor nos dedos
Curvas disformes das letras
Arredondados seios, indigência das mãos
Inactivas e soltas, ainda que distantes!

Na revoada das palavras
Descuro todo o seu significado
Libertando a morte certa
Do fim, concedendo-lhe a eternidade!
Ainda que essa eternidade efémera
Se chame em mim apenas Maria!

Alberto Cuddel
18/05/2017
03:12

Supérfluas

Supérfluas

Sempre neste mundo haverá a luta,
Sem decisão nem vitória,
Entre o que se ama e o que não há
Meramente porque existe,
O que ama o que há
Porque ainda não existe.

Sempre, sempre, haverá
O abismo entre o que renega
O mortal porque é mortal,
E o que ama com todo o amor
E não deseja que morresse.

Ainda que a morte
Absorva apenas os bons
Os odiados nunca morrem
Apenas quebram-se os vasos
As flores que nunca murcharam…

Alberto Cuddel
18/05/2017
03:23

Antes do princípio apenas o fim

Antes do princípio apenas o fim

há antes de tudo um rio
depois um mar e o sol
as voltas da vida, transpiração
o querer, o bater e a doce ilusão.

depois há um prólogo de anúncio
e antes de tudo há um fim
a desilusão e a dor do nascimento

nessa explosão de magma quente
o passado cobre-se de cinza
– pleno esquecimento da saudade…

e antes do princípio apenas o fim
essa dor do esquecimento do ventre
abandono do conforto…
– a dor de viver
sobrevivendo à carência da alma…

Alberto Cuddel
27/05/2020
17:15
In: Nova poesia de um poeta velho

Do alto da ignorância de todos os sonhos…

Do alto da ignorância de todos os sonhos…

… rasgam os jornais que lhe cobriam os pés, desse conhecimento abandonado pelos mortos na estante empoeirada da biblioteca, há em mim um contraste que me esmaga e uma sede insaciável de palavra, esta fome de saber o que não sei, liberta-me a ironia de deixar voar a bandeira, e essa herança de sangue pelos egrégios avós derramado. Desse pedestal erguido pelo minúsculo ser, somos um, e muitos que um somos, neste atropelo à individualidade prometida. Há uma majestosa sensibilidade que me espanta, é essa de ver o conhecimento na boca das ruas, todos sabem tudo e todos opinam, e não pinam nada… meu quarto sou menos reles, e sozinho empino a vulgaridade de me abstrair do conhecimento simpático dos que não sabem, sabendo tudo, e opinam até da atitude deles próprios, eu reles empregado anónimo dos que tem de trabalhar, escrevo palavras como a salvação da alma e douro-me do poente impossível de sois altos, vastos e longínquos, ocultos por detrás de monte de nuvens que teimosamente estacionaram sob a minha janela virada ao poente.
Do alto da ignorância de todos os sonhos hoje nasce a Primavera, e se ela não nascesse talvez chegasse depois, talvez se atrasasse, mas chegaria, por ser a que vem depois, dos tempos de invernia…

Alberto Cuddel
21/03/2020
03:41
In: Nova poesia de um poeta velho

Vício jogado

Vício jogado

rio manchado pelo sangue negro do fogo
ardem-me as mãos calejadas pela insignificância
atravessam a rua pés descalços, filas sem destino
pensam que pensam livremente, enganados
presos a consciência do nada, que nada elegem…
tocam bateria no quarto andar, e eu moro em moradia
que me importa o ruído da noite, se eu durmo de dia
e tudo é tão sujo este chão, mas não me curvo
apenas olho o céu, e o fumo que sobre mim se abateu
há portões que se fecham, e reclamam da eras do muro
dos assalariados governamentais, e doutros deputados tais
viciam os jogos, vencendo os mesmos
e aplaudem como roubos adestrados
sorrindo na sua artificial liberdade
falam, discutem ameaçam com greves
mas vergam-se a falta de pão individual
o colectivo nada é, irmãos, quais irmãos
viva a meritocracia do ter, não do merecer
que me importas que morras aqui ao lado
escrevo, rio, bebo e fodo…
o resto, o resto são danos colaterais sem sentido
que a mim, a mim, nada me incomoda
das palavras que não leio, para não saber…

Alberto Cuddel

A noite

A noite

Cansada cai exausta na cama,
Repousa,
Adormece nos braços de quem ama!
Ver-te assim dormindo…
Lembro-me de ti sorrindo,
Nos encontros matinais,
Nas bordas dos beirais,
Em que de ti vou fugindo,
Noites solitárias demais!

Amanhecer,
De novo nascer,
Como raios de sol,
Aquecendo a vidro, inundando nosso quarto,
Tocando teu rosto,
Serei sol, luz, calor ao acorda-te,
Serei tudo que na vida,
Calor,
Carinho,
Amor.

Alberto Cuddel
02/07/2013

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: