Amar-me-ás?

Amar-me-ás?

Duvido nas certezas reticentes,
– Que me dizem os gestos?
Amas-me?
Onde mora ausência distante…
Sentir proclamado que sentes
Dias distantes ausentes…
Braços caídos carentes…
Pernas dobradas na espera…
Joelhos ao chão em prece…
Uma oração, um desejo…
Onde te mora o beijo…

Fico reticente,
O que te dizem os gestos…

Alberto Cuddel
Poesia com Reticencias (…) – Pastelaria Studios, 2017 ISBN – 978-989-99956-8-0

Reticentemente

Reticentemente

Com muitas reticencias escrevo,
Não por não ter o que dizer,
Mas por não saber faze-lo,
Como pronunciar o teu viver,
Sentir, querer, chorar, sofrer?

Concisamente abstenho-me
Das reticências dos dias
Nas decisões, decido-me
Onde estão as coisas que fazias?

Versos faustosos sem dúvidas
Declamando perdões e dívidas
Sentires sentidos sem noção
Versos feitos sem qualquer paixão!

Arde-me o peito, o olhar
Os pensamentos negros
Os brancos, sem cor
Apenas o rimar,
Em versos brancos,
Sem cor ou transparência,
Sem virtude ou ciência!

Alberto Cuddel
Poesia com Reticencias (…) – Pastelaria Studios, 2017 ISBN – 978-989-99956-8-0

Amar-me-ás?

Na colectânea Poesia com Reticencias (…)

Amar-me-ás?

Duvido nas certezas reticentes,
– Que me dizem os gestos?
Amas-me?
Onde mora ausência distante…
Sentir proclamado que sentes
Dias distantes ausentes…
Braços caídos carentes…
Pernas dobradas na espera…
Joelhos ao chão em prece…
Uma oração, um desejo…
Onde te mora o beijo…
Fico reticente,
O que te dizem os gestos…

Alberto Cuddel
na voz de Teresa Queiroz!

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: