Revolta-me

Revolta-me

Revolta-me todo esse pudor em volta do sexo, dos sentimentos, das falácias da sedução… Não é a sedução um chorrilho de mentiras apenas para dar tesão?

Revolta-me esse desejo envergonhado tantas vezes camuflando no feminino, tantas vezes julgado por uma sociedade matriarcal que apenas deseja prazer entre as pernas e tem vergonha de o ter?

Revolta-me o julgamento das mulheres para com as mulheres que têm a liberdade de sentir, de desejar, de pedir, de implorar, de querer ser e existir como mulher plena, na vida, no trabalho, na família, no prazer…

Revolta-me que não f0dam como que o mundo acabasse no orgasmo… E vivem apenas no marasmo de não se sentirem amadas, realizadas, plenas e concretizadas…

Revolta-me a educação que as mães dão as filhas, aos filhos, que não os eduquem como iguais, na responsabilidade da ação, dos gestos, dos sentimentos, dos desejos, que as condenem quando descobrem o corpo, que não lhe passem conhecimento…

Revolta-me a mentira da escolha… Não é o homem que “pega”, não é o homem que escolhe, é a fêmea que aceita o macho… Não é o homem que convida, é a mulher que se faz convidada… Não é o homem que excita é a mulher que se permite ser estimulada…

Revolta-me este pudor mesquinho da nudez, se todo o ser humano nasce nu… E nasce de uma f0da…

Revolta-me as relações de posse os ciúmes doentios… O és minha ou meu… Isso não tem lógica de ser mantido… Não falo em promiscuidade, mas na responsabilidade de escolha, do querer, na vontade de ser…

Revolta-me… Sinto-me revoltado ao saber, que nada mudou, e muito pouco posso fazer…

Tiago Paixão

Joana Vala – a dor de ser…

Joana Vala – a dor de ser…

enraivecem-me esses olhos famintos de macho
essas palavras de fêmea que os desculpam
essa culpa atirada aos ventos, pelas vestes
dói-me a falta de senso e o não poder ser
tão somente eu, igual e diferente, ser mulher e gente…

dói-me o julgamento e inveja pelo que mostro
as palavras mesquinhas das meretrizes sem mérito
pelas acusações da sua falta de capacidade
“no empenho e trabalho não é mérito, trabalho horizontal”
onde reside o sexismo? neles? não… nelas nessas infelizes sem valor…
ser mulher é em mim mérito consciente, trabalho dobrado
merecido e bem trabalhado… os homens não se julgam
mas elas? elas condenam e invejam…

enraivecem-me esses olhos famintos de macho
essas palavras de fêmea que os desculpam
os ciúmes tontos a quem confiamos a alma
o ser usada, mostrada como trofeu, depois?
apenas empregada… alguém que faz e não é “amada”…
dói-me ser mulher entre as mulheres que não o são…
doí-me ser mulher entre homens bicho…

apenas quero ser quem sou, pelo que sou
pelo que mostro ser, pelo meu viver
sem favores, pelo mérito que merecer…

dói-me a dor de ser mulher…

23/07/2021
11:00

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: