Reflexão porque eles também pensam e sentem…

Reflexão porque eles também pensam e sentem…

Incomoda-me o silêncio dos Homens

Não o nego ou negarei, sou poeta ou escrevente de sonhos, de sentires, de paixões vontades e desejos, incomoda-me o silêncio dos homens, muitos(as) se levantarão agora, “mas os homens comentam poesia”, verdade, cobertos de razão os homens comentam poesia produzida ou ficcionada pelo feminino, quando a imagem da autora é atraente, principalmente se escreve sobre: amor, paixão, carência, sexo, sedução. Experimentem falar de: pobreza, assedio, violência domestica, guerra, descriminação, escrever no masculino… não é mais uma cronica avulsa, como sabem, tenho vários heterónimos, o que me permite ter e ver o mundo com um olhar mais vasto, Joana Vala é um desses heterónimos, deu para compreender esse mundo dos caçadores e predadores silenciosos que se movimentam no silêncio. A cada poema, choviam mensagens privadas dos vários tipos, raros eram os que se mostravam na página, a maioria caçadores incultos e mal-formados, poucos são os que teriam a mínima hipótese de uma relação mesmo que experimental. Mas não lancem já os foguetes, se existem homens, existe o reverso, mulheres que fazem de tudo para caçar um homem, para isso existiu o Tiago Paixão, e enquanto a página esteve aberta a mensagens existiu de tudo até nudez integrais, sem que nada tenha sido exigido ou solicitado.
Depois de tudo isto porque digo quê, me incomoda o silêncio dos homens?
Simples, quando falo em: Amor, fidelidade, certezas, assédio, violência, apenas as mulheres se manifestam, os homens esses, mesmo os poucos poetas “honestos” remetem-se ao silêncio conveniente de não serem catalogados como, tradicionalistas, retrógrados, mentirosos, convictos, extremistas… sempre muito politicamente correctos e de bem com todos, como se pudessem agradar a Deus e ao demónio… se repararem sejam Homens ou Mulheres, existem meia dúzia deles com o estado civil declarado, dirão, mas isso cabe a cada um, no seu direito constitucional da privacidade, e tem toda a razão, mas é revelador do que procuram… um reconhecimento ilusório e enganador… não me incomoda que partam, que vão, que falem na surdina…

“O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons.”
Martin Luther King
Alberto Cuddel
11/05/2018
13:45

Arroto a que chamas poesia…

Arroto a que chamas poesia…

Quantas vezes te revestes de mentira e palavras compridas?

Tu que te intitulas poeta, mentes com todos os dentes
Poeta triste de sorriso nos lábios, suicida apaixonado
É irascível a dor que tentas camuflar, e nunca a sentes…

É intragável a escrita solta sem rima, chamas-lhe branca
Branca é o que injectas nas palavras que rasgas e poluis
Cantas amores, sentires e desejos, quem te dá confiança?

Ó poeta de horrores, assassino da língua, maltrapilho do ser
Quem te alimenta o ego? Quem de sã mente te dá de beber?
Iludi-vos pois com a farsa deste farsante, que não sabe escrever…

Ó triste ilusão a tua que vives, não escreves o que dizes
Não vives o quê escreves, iludes, mentes, sem juízes…
Renega-te, confessa-te, transforma-te, escreve-te
Não confundas quem te lê, sentindo o que nunca vê…

Quantas vezes te revestes de mentira e palavras compridas?
Vocábulos copiados, rebuscados enjeitados, plagiados…
Poeta abstém-te se ser o que nunca foste…

Januário Maria
05/05/2018
21:20

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: