Pano pátria…

Pano pátria…

ondula ao vento o pano-pátria
essa chuva de mansinho que me escorre das mãos
ciência desmentida por cabalas sem sentido
e chora uma criança triste que perdeu a mãe no ventre…
e ele, ele desmente veemente o que os olhos sentem…

querem-me fazer crer que é mentira a verdade.
que somos todos conscientes do pecado,
vivemos aparentemente de aparências
não é a falta de convívio que vos incomoda,
mas o não saber da vida da vizinha, o corte e costura de uma casaquinha…

ondula ao vento o pano-pátria de um local que não é meu
fruto do acaso aqui nasci… não há diferença entre ontem e hoje…
como como ontem, vivo como hoje…
choram as filhas a morte da mãe… ninguém quer saber do pai…
que morra longe no lar onde o depositaram…

como às vezes num dia azul e manso
a chuva que cai e não molha
no vivo verde da planície calma
o sol que seca sem esperança
duma súbita nuvem o avanço
palidamente as ervas escurece
e tudo cuida, e tudo morre,
tudo foge e tudo escorre
um velho que se esconde
um novo que foge na noite…
uma praia perdida
dentro das saias de uma rapariga…

ondula ao vento o pano-pátria
essa chuva de mansinho que me escorre das mãos
e o mundo para e avança para alguns
outros apenas pediam comida…
os que eram solidários hoje já não ensinam a pescar…
divertem-se em ver o povo mendigar..

Alberto Cuddel
13/02/2021 02:10
In: Entre o escárnio e o bem dizer,
Venha deus e escolha XXIX

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

<span>%d</span> bloggers like this: