Poética da demência assíncrona…

Poética da demência assíncrona…

há na realidade do pensamento humano,
uma essência flutuante e incerta,
tanto na opinião primária,
como em todas as outras pensadas
longamente na visão platónica do mar
como naquela outra que lhe é oposta,

as hipóteses do pensamento são em si mesmas instáveis
nesse rasgo visionário de um por do sol
ou no rasgo matutino gemido de um parto malformado
em dias de neblina pelo sol que se ergue no horizonte
no olhar não há síntese, pois, nas coisas da certeza,
apenas existe a tese da antítese apenas.

seja a areia do mar, registo flutuante do tempo
do que vai e do que vem, sem ter chegado a ser vidro
na síntese penso que sinto, e no que sinto sei o que finjo
na certeza do que é em mim, é verdadeiramente concreto
no que da minha alma brota, que em meu íntimo sangra…

nem os demónios me aceitam no convívio sádico da expressão
nem as rimas gritadas na dorida alma que orgasmicamente sente
nem no pensar concreto da consciência poética existe síntese
nem nas vogais, nas consoantes, nas orações desenhadas
só os deuses, talvez, poderão sintetizar este sentir atrófico
que finjo ser mentira de tão verdadeiramente sentido
num formigueiro que dolorosamente me percorre os dedos…

este pensar a poética pelo que alegremente se sente
numa consciência pagã do que se pode fingir
sentido que o que se escreve é ingenuamente a verdade da mentira…

Poética da demência assíncrona… ou a consciência da verdade…

Alberto Cuddel
24/12/2020
08:55
Poética da demência assíncrona…

Lilases como as rosas

Lilases como as rosas

houve um tempo em que os homens eram feitos de espinhos
em que as sementes nasciam-lhes das mãos, e a terra era fértil!

nos caules que se erguiam até ao tronco
corria a seiva da vida e o suor escorria
a vida mastigava-se à brilhante luz do sol
e o tempo marcava o compasso da existência…

depois esperou, olhou, caçou a herança do sangue
rasgou-lhe as carnes e o ventre, perpetuação…

matou pela posse, pelo prazer de ter
o desejo mata, destrói… moveu montanhas
revolveu entranhas, terras e mares
por esse adjectivado sentir: -amor
prazer a procriação…

lilases como as rosas, na finitude do querer
detalhe inalcançável, querer o que não pode domar…

revelou-se o poder, o jugo que pende sob o animal
esse desejo carnal que o faz bicho…
a mulher, escrava, aprende, a domar a fera
a subjugar o mal, que lhe nasce do ventre…

lilases como as rosas, há homens
que hoje, não matam,
já há homens que hoje, amam…

Alberto Cuddel
08/12/2020
10:40
Poética da demência assíncrona…

Rimas do vento que sopra…

Rimas do vento que sopra…

há esse vento que sopra e o gemido da erguida
há os passos lentos e a dor da despedida
esse ter que ir sem vontade alguma, um dever
essa vontade de férrea de nada mexer e o doer!…

e as dores da alma que calo em silêncio porque não se sentem nos ossos
e as outras que penso e faço por não sentir
e as da ignorância dos homens e as conspirações
constipações de um ego com palas nos olhos…
há dores, mas o vento tudo varre
e olhamos o sol, e o que foi deixa de ser
e não vale a pena sofrer…

ando devagar, por que já tive pressa
mas hoje andar a cada passo uma surpresa
e esta dor ferrada que me corrói o corpo…

há lixo escrito no chão, mas não me vergo
que o leve o vento que eu não o posso varrer
e voam as folhas das árvores, e folhas de jornal
noticias de ontem, mas hoje, tudo continua mal…

e cobres-te do frio com papeis emprestados
mas na alma ainda carregas teu fado
e o vento descobre-te as lágrimas
que choras e escondes sempre calado!…

nas rimas que o vento sopra
há vida, há poesia escondida
por entre o silêncio e a monotonia…

Alberto Cuddel
29/11/2020
01:50
Poética da demência assíncrona…

Essa cascata de fogo que me arde na alma…

Essa cascata de fogo que me arde na alma…

inflamam-se as palavras aprisionadas na alma
nessa legião urbana que se eleva no olhar afiado da aguia
rebentam cascatas divinas em vozes de platina cantando Salomão
ó virgens de candeia acesa velai pelo vosso senhor…

há nos desertos áridos uma voz que clama
um turbilhão de desejos em dunas veraneias, uma toalha no chão
arde-me o pecado na garganta e o segredo contido
palavras que me rasgam o estomago,
nesse acido bater de asas de uma borboleta…

será amor esta dor que me corrói?
essa asia que me queima por dentro
sedentos pecados lívidos e carnais,
deste mesquinho impuro e pecador
ávido sedento de toques marginais
rasgam-se as túnicas ali, bem ali junto ao poço,
onde se evangelizou a impia, onde o pecado foi lavado…

sempre meditei como era absurdo que as palavras fossem aprisionadas na boca
onde a realidade substancial é uma série de sensações, houvesse coisas tão belas como o beijo e fosse tão complicadamente simples sentir, e tão difícil de o verbalizar…
a vida prática sempre me pareceu a menos cómoda
nesse desejo absoluto da mãe de todos os suicídios o silencio, morte anunciada da alma. não agir foi sempre para mim a condenação violenta do sonho, não escrever
não falar, não gritar ao mundo no grasnar de uma gaivota sempre me pareceu
um sonho arruinado e injustamente condenado pelo acto suicida do silencio…

escrever é objectivar sonhos, é criar um mundo exterior para prémio, é dar voz
aos pecadores que calam os sonhos…
podia nascer lua, surfar a crista de uma onda de prata, ser desejo ardente de um abeto
curvado ao vento… mas nessa cascata de fogo que me queima por dentro, há apenas o sonho, e essa voz que é pátria, que nos faz fado, que nos serve poesia em golos pequenos
que nos condena a nossa humilde condição de homens de sonhos, que nos condena a ser poeta… essa voz que me rasga por dentro, que se faz vida…
e depois somos apenas nós, tu que me cortas a alma em pedaços na leitura e eu, que vomitei palavras… pela dor que elas me causavam…

Alberto Cuddel
25/11/2020
02:30
Poética da demência assíncrona…

Corpos… apenas isso

Corpos… apenas isso

Cenário do desejos mudos e quedos,
Raios de lua afagam-te os cabelos.
Lábios húmidos, desejo de beijos,
Lua sonâmbula adormecida,
Ondulantes formas de mulher,
Perpetuamente dormente…
Olhar cego e reto como destino
Entre o cansaço do dia e o desejo de carne,
Tolhem o olfacto as nuvens pardas de baunilha,
Mãos que se cruzam junto ao peito
Entre o abraço dos corpos,
O calor que apenas restou!

Olhemos as horas,
E o tempo que resta,
Ceus rasgados pelos raios de sol!

Alberto Cuddel®
25/07/2016
in: Tudo o que ainda não escrevi

Movimento

Movimento

Peito que se inclina,
Pernas que se movimentam
Olhares que se fixam,
Braços que se enrolam!

Sonhos partilhados
No balanço do tempo,
Amor compartilhado,
Assim vamos vivendo!

Alberto Cuddel®
27/07/2016
in: Tudo o que ainda não escrevi

A nobreza das palavras livres

A nobreza das palavras livres

a realização sem a mácula da realidade é o amor
amo o poente e o amanhecer, porque não há utilidade, nem para mim, em amá-los
nessa liberdade absurda de nos confinarmos em nós mesmos
o resto é a vida que nos deixa, a chama que morre no nosso olhar,
as cores da morte da noite ou a púrpura gasta antes de a vestirmos,
a lua que vela o nosso abandono, as estrelas que estendem o seu silêncio
há uma mágoa que paira sobre a nossa hora de desengano.
assídua a mágoa estéril e amiga que nos aperta ao peito com amor.

tinha uma aversão visceral pelas palavras que se espraiam
nessa fluidez filosófica da metafisica poética e ao mesmo tempo
não tendem para o infinito os poemas?

meu destino foi outrora em vales fundos, voos altos
desertos imensos e sonhos áridos, nessa busca pelo oásis
o som de águas que nunca sentiram sangue rega o modo dos meus sonhos.
o copado das árvores nessa absorvência do sentir alheio, um sequestro negro
que esquece a vida era verde sempre nos nossos esquecimentos.

sinto perante o rebaixamento dos outros não uma dor,
mas um desconforto estético e uma irritação sinuosa.
não pelo conhecimento empírico do que sei,
mas pela ignorância de não saber o que ainda não li…
não é por bondade que isto acontece,
mas sim porque quem se torna ridículo não é só para mim que se torna ridículo,
mas para os outros também,
e irrita-me que alguém esteja sendo ridículo para os outros,
dói-me que qualquer animal da espécie humana ria à custa de outro,
quando não tem direito de o fazer
porque a ignorância não é um defeito, às vezes até uma virtude
quando ela é exercida com humildade…

não sei escrever metricamente, – não sei
isso não me faz superior ou inferior
nem ridículo, nem ignorante
apenas revela uma inadaptação a um conhecimento…

vedaste o jardim floridos dos versos, blindaste as palavras de alfazemas
na vocalização és… sempre foste poeta
há uma nobreza em quem martela a língua de artifícios gramaticais
mas não há espanto, e é o espanto que me absorve diante
no descrever vagaroso do florir de uma violeta…
amo o tempo e o tempo que ele demora, o poema…
esse florir das palavras até se tornarem semente…

Alberto Cuddel
01/11/2020
18:50
Poética da demência assíncrona…

Aquém do desejo

Aquém do desejo

A tarde caiu-me
Nas pálpebras pesadas
Cansaço do dia!
Mesmo assim as mãos vagueiam…
Tacteiam sonhos no ar,
Formas redondas e húmidas
Na pureza do teu desejo…
Como desejo, apagar as notícias de ontem
E ficar apenas na doçura do teu beijar…

Alberto Cuddel®
In: Tudo o que ainda não escrevi-52

Gélida devoção

Gélida devoção

Pesa em mim a devoção
O tempo já perdido
E um outro sorriso nos lábios
As noites esquecidas dos dias
As lágrimas nos olhos contidas!

Pesa em mim a devoção
O luar em lago seco
Um jardim que não floriu
Um encontro sonhado
Nunca fora realizado!

Pesa em mim a devoção
Das palavras e versos
De uns outros universos
Onde me vejo voar
Nas cristalinas águas desse outro (a) mar!

Pesa em mim a devoção
Que me molha o olhar
Por não ter no sonho
Vontades a realizar!

Alberto Cuddel®
In: Tudo o que ainda não escrevi – 53

Liberdade de escrever longamente…

Liberdade de escrever longamente…

“No dia brancamente nublado entristeço quase a medo
E ponho-me a meditar nos problemas que finjo…
(…)
Assim como falham as palavras quando queremos exprimir qualquer pensamento,
Assim falham os pensamentos quando queremos pensar qualquer realidade.”

“Poemas Inconjuntos”. Poemas Completos de Alberto Caeiro.

há no fingimento da realidade uma chuva miudinha que me turba o olhar
e penso, penso longamente do riso em riste, no punho erguido e na intolerância
não serão apenas humanos, sem catalogação de cor, raça, religião?
ou graça nessa humanidade perdida uma ignorância de lesa-a-pátria?
amaldiçoado o povo que não ri dos seus próprios defeitos, erguendo as mãos
defendendo uma fé cega da qual desconhece o fundamento…

a ideia de humanidade é minha, tão somente minha que não a evangelizo
creio que a realidade me consome as entranhas, pelo não questionamento
nua é a facilidade com que se crê, sem criticismos do que se escuta
tudo se toma pela verdade, mesmo que a mentira se escancare diante dos olhos…

já fui do tempo em que existia ciência,
em que as hipóteses de tese careciam de comprovação
hoje é uma mera questão de opinião crente…

as verdades não são perfeitas por serem escritas
mas antes por o ter sido questionadas, comprovadamente…
penso que a verdade é uma mera conclusão da irrealidade do sonho
e o mundo avança de mentira em mentira
perigosamente rumo a um passado que haviam esquecido…
reactivam-se as cameras de gás… há milhões em fila, rumo ao extermínio…
não dos corpos, mas dos ideais libertários de uma vida de pensamento livre
de uma vida com futuro…

ontem viajei o mundo mais rápido que o som, hoje não…
e calamos as vozes livres, porque elas condenam-nos…
por um bando de peçonhas que se acham donos da palavra…

“Assim como falham as palavras quando queremos exprimir qualquer pensamento,
Assim falham os pensamentos quando queremos pensar qualquer realidade.”

Alberto Cuddel
10/11/2020 1:37
In: Entre o escárnio e o bem dizer,
venha deus e escolha II

No tempo em que semeei vogais…

No tempo em que semeei vogais…

ontem não calei a boca do mundo
rasguei os céus
rasguei a terra
semeei-a com os meus sonhos
com meus pensamentos
espremi as nuvens e os ventos
eles gritaram impropérios,
lírios, e frutas maduras
entusiasmo e delírios
medos e gemidos de dor
respirações arfadas de prazer
ontem não calei a boca do mundo
somente a minha
esperei os silêncios gritantes da germinação…

e nasceram os versos…

Alberto Cuddel
29/10/2020
23:10
Poética da demência assíncrona…

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: