Que jamais me desejes de novo…

Que jamais me desejes de novo…

que jamais me desejes de novo
neste corpo gasto senil…
nesta forma abjecta que sou pela erosão do tempo
que jamais te volte a ferver a carne,
nesse desejo de misturar teu corpo no meu
deixei de ser quem era para ser quem sou
um pedaço caminhante de massa carbónica
que sofre o pecado capital da gravidade…
que te importa o que sinto, o desejo da mente?
que te importa eu?
que jamais me desejes pelo nada que te posso ofertar!
“já te amava antes de te f@oder
nos contornos redondos da tua alma
nas formas voluptuosas dos teus seios
já te amava antes de te saber o gosto
o cheiro o perfume da pele
já te amava pela forma quente de articulares um “amo-te”
um “quero”, essa palavras quentes com que imploras ter-me em ti…”
hoje apenas te amo, já sem esse fogoso desejo da jovialidade
e nesse amor que ainda carrego como fardo que suporta a cruz
imploro, que jamais me desejes de novo…
mas logo depois desse teu orgasmo…
enquanto a pele te ferve, e a alma te arde
e todo o nosso mel te escorre pelas coxas…
e sim ama-me… e amar-te-ei… para sempre…
mas que jamais me deseje de novo…
Tiago Paixão
09/05/2022
afúriadapaixão

Entrelaça as mãos soltas…

Entrelaça as mãos soltas…

olhar cheio da nocturna densidade da saudade
entrelaça os dedos e contorce a alma
arqueia o desejo sob o peso aglomerado dos lençóis
seja nua a veste que te cobre o discernimento
seja pura a vontade lasciva que te percorre…

que as tuas mãos voem,
que voem em silêncio
onde eu guardo os sonhos…

sonhos que me pertencem, que te tocam, que te envolvem
quero ser eco da voz que escutas, gemido que te enlouquece
quero ser fonte do teu sorriso, quero ser origem do teu suor
quero amar-te, ser prazer, ser loucura e orgasmo solitário…

entrelaça as mãos soltas, os dedos húmidos, e deixa-me
deixa-me escutar-te, no silêncio das paredes, enquanto te olho…
mesmo que na minha pele, não sinta agora o calor da tua…
nesta louca fantasia… amo-te…

Tiago Paixão

Afúriadasaudade

Ps: um novo cuidado na escolha das imagens… Um impercetivel detalhe “as alianças” os casais também merecem os seus momentos de renovação não da paixão, mas do tesão…

“Ainda me ondula no pensamento o movimento das tuas ancas…”

“Ainda me ondula no pensamento o movimento das tuas ancas…”

há na fúria do tempo uma noção de sonho
essa vontade que ainda me crepita nos lábios
um odor perfumado entranhado na pele
esse espasmo que te percorreu o corpo
esse olhar que me devorou a alma
como se tivesse possuído ali, uma e outra vez…
ali mesmo, nos degraus que se fizeram leito…

e apenas subias, eu subia contigo…
ainda havemos de nos querer
como nos quisemos, porque o tempo
o tempo sempre nos será infinitamente escasso,
pelo sentir da alma, pelo tesão do corpo
pela vontade de estar, pelo ficar,
pelo ir e pelo vir…
pelo uníssono tantas vezes alcançado…

“ainda me ondula no pensamento
o movimento das tuas ancas…”
apenas pela saudade ausente
de quando não sobes à minha frente…

Tiago Paixão

Afúriadasaudade

31-01-2020

Já te amava antes de te f@der…

Já te amava antes de te f@der…

já te amava antes de te f@oder
nos contornos redondos da tua alma
nas formas voluptuosas dos teus seios
já te amava antes de te saber o gosto
o cheiro o perfume da pele
já te amava pela forma quente de articulares um “amo-te”
um “quero”, essa palavras quentes com que imploras ter-me em ti…

já te amava antes de te f@oder
quero-te o corpo além da alma despida
permite-me que te beije a boca, que a minha língua envolva a tua
deixa-me ferver na tua carne, misturar meu corpo no teu
sente-me… que os nossos movimentos se unam
que o nosso suor escora, falemos um pouco
sincronizemos a alma e o desejo, elevemos a libido
procuremos no nosso amago um uníssono gemido…

tateiam os meus dedos o ar na saudade do toque
do teu perfume almiscarado, na provocação do gemido…
há um silencio rude que me rouba o ar
a saudade do beijo, das palavras e da língua
uma vontade de fuga…

já te amava antes de te f@der…
e amar-te-ei depois eternamente…

Tiago Paixão…
13/03/2022

Muito Obrigado!

Muito obrigado a todos os que ao longo destes anos me seguiram nesta aventura da escrita, depois de milhares de poemas escritos e partilhados aqui no blog e nas mais variadas redes sociais dou por terminada esta aventura… durante estes anos fui surpreendido por muitas mensagens que me foram deixando, por muitas partilhas e por muitas amizades que se foram criando. Agora fica aqui registada essa memória, esses poemas e escritos, para que não se percam.

Um enorme bem haja a cada um de vós… Não é um Adeus pois os poetas não morrem mas sim um até sempre.

António Alberto Teixeira de Sousa

Palavras nos dedos…

Palavras nos dedos…

Nascem-me as tuas palavras
Assim sem pedir, na pontas dos dedos…

Na húmida ilusão que me percorre o corpo
Entras em mim, na alma na mente, querer…

Quem és tu poeta? Que me revolves as entranhas
Que me soltas a lívido, que me excitas
Que me fazer querer-te
A qualquer hora do dia?

Nascem-me desejos quentes
De lábios carnudos
Que me declamam nos dedos
Que me escancaram a tua posse
As palavras que inscreves
Introduzo-as com os dedos
Remexendo, rimando a trote,
Entrando e saindo das estrofes,
Lambendo, virando a página…
Até que o prazer me corroa…

Tiago Paixão

No profundo silêncio da tua alma sussurras “quero”

No profundo silêncio da tua alma sussurras “quero”

Na solidão que nos damos, silêncio
Apenas duas respirações cortadas por um beijo
Suave, quente, que te nasce na nuca
Um morder de lábios, aprisionando o desejo…

No toque toda a destreza da perfeição
A brisa das vestes que caem subtilmente
Uma a uma, lenta e desejavelmente
Cada uma sincronizadamente beijada!

Nudez da vontade, silêncio amordaçado
Mãos que te contornam a aura, cada forma
Cada curva, cada recta, cada arrepio…

No apartar de cada verso, a hipérbole do desejo
Um sopro suave, um toque dos lábios
O calor da língua, metáforas circulares
Encontro com o centro do querer,
Cada virgula, na pressa de um ponto final…

Firme propósito assim desejas
Nas entre linhas dos versos, em cada sinapse
O fluir profundo da virilidade desejada
Movimento brando entre estrofes
Apressados versos, desenhado nos lábios
Ainda apertados, a ânsia profunda de quebrar
Um silêncio apertado na alma num profundo gemido
Simmmm…

Tiago Paixão

De entre tudo o que somos…

De entre tudo o que somos…

um abraço, um decote provocador
um toque na face, o sentir da pele
a mão no cabelo, o cheiro, ameaça de beijo
o teu corpo contra o meu,
o meu contra o teu,
a rubra imagem…

o início da viagem, o beijo desejado
o busto despido, os seios hirtos
o querer e a volúpia, o toque de mãos
a minha boca na tua, a minha língua na tua
e tu, ali em mim, para mim, nua,
que sejamos tudo, apenas um no outro
sejamos, amor, vontade, tesão
queira eu sentir-te na mão, teu cheiro nos dedos,
sem pudores, sem receios, sem medos
apenas nós, eu tu, e nos mesmos…

dispamo-nos diante das almas nuas
sejamos desejos meus, nossos, mãos tuas,
toquemo-nos, conheçamo-nos,
percorrer todo o teu corpo nos lábios
sentir-te o sabor na língua, na boca
lambuzar-me em ti, beber-te
oferecer-te todo o prazer,
todos os gemidos e gritos da alma…

toco-te, tocas-me, tocamo-nos,
excitamo-nos no beijo, na loucura
possuímo-nos, de todas as formas
de todas as posições conhecidas
desconhecidas de nós mesmos
até que todo o amor se liberte de nós…
num uníssono grito orgásmico…
até que o prazer nos liberte…
da prisão de nós mesmos…
ficando apenas imóveis
e as almas dormentes num abraço…

enquanto nus nos amamos olhando o tecto em silêncio
apenas no abraço… ofegantes…

Tiago Paixão
02/11/2017
13:00

Ama-me antes que chegue…

Ama-me antes que chegue…

ama-me antes que chegue, enquanto me pensas
enquanto te desnudas de cada peça,
enquanto sentes a água escorrer no corpo…
ama-me no roçar da toalha na pele quente…
ama-me enquanto me esperas, enquanto te vestes…

quando eu chegar, por favor não me ames…

fode-me como se o mundo acabasse ali…
enquanto a minha boca te percorre o corpo
te sobre pelas coxas… enquanto me bloqueias entre as tuas pernas…
não me ames… fode-me…

e logo depois do teu orgasmo…
enquanto a pele te ferve,
e todo o nosso mel te escorre pelas coxas…
e sim ama-me… e amar-te-ei… para sempre…

Tiago Paixão…
22/09/2021

Nesse querer que se faz em ti…

Nesse querer que se faz em ti…

Quero-me nesse olhar que me fita
Nesses rubros lábios que me desejam
Nesse beijo quente que me devora
Nessa pele que me chama…

Quero-te nas quentes palavras,
No abraço onde te prendo
Na tua pele contra a minha…

Quero beijar-te a boca, os lábios, a língua,
Quero beijar-te os seios, senti-los
Sentir-te nos dedos, sentir na língua a tua pele
Quero-te… quero a minha cabeça entre as tuas coxas
Meus lábios nos teus,
A minha língua conquistando a loucura…
Quero-te minha onde for…
Desde que seja por amor…
Por essa vontade de paixão
Por esse querer e tesão…

Que nos importa o mundo
E tudo o que é certo ou errado
Nesse segredo do pasmo
Queremos o prazer, o orgasmo…
Esse desejo de nos termos
Onde quisermos… por nós mesmos…

Tiago Paixão
07/09/2021

afúriadapaixão

Essa verdade de querer

Essa verdade de querer

Insinuas-te nessa provocação feminina
Nessa arte de sedução perfeita
Nesse querer de me possuíres em ti
Provocas-me, nessa partilha de paixão
Desprovida de vergonha, como se quer
Amas-me, conquistas-me, possuis-me
Inteiro pela visão dúbia do tesão
Amor, essa paixão que me prende
Força de vontade que me vence
Ali, mesmo ali, longe do leito
De tudo, de nada, aberto o peito…

Fodes-me…
Paixão religiosamente entregue como devoção
Oração fálica, que os deuses me protejam
Olho-te, olhas-me
Nessa confiança que te faz mulher
Sou teu, tao somente teu…
Como nunca fui de alguém
Porque tu és
Classe, paixão
Vontade e tesão
E possuis-me
Por inteiro
Apenas no olhar…
Amo-te, amas-me…
Amar-te-ei eternamente…

Tiago Paixão
05:35 01/03/2021

Afúriadasaudade

Na saudade do tempo em que te tenho

Na saudade do tempo em que te tenho

No despertar eléctrico de todas as sinapses,
O tremor e o desejo que me trespassa o corpo
Mãos preguiçosas que se movem pela roupa
Apartando os cabelos e os sonhos húmidos
Nesses momentos de sonho, onde me vejo
Existimos em nós mesmos pelo sentir da alma
Que se faz dor no corpo pela abstinência…

Cavalguem do nascer do sol todas as amazonas
Trote confusos de cascos, onde estas tu?
Que me manténs acordado,
Que me despertas na noite,
Que me fazes desejado,
A quem me entrego, nesta ausência
Seja a noite, curta, longa, ausente, distante

Fantasio realidades inatingíveis
Sonho beijos tangíveis afagando-me o corpo
Aplacando-me a sede e a fome de ti…
Quero-te, sonho-te em mim
Em delírios escondidos na alma
Querer que nem a imaginação acalma
Na força do toque, na dor que me trespassa
E a saudade do trote…
Cavalgando madrugadas
Fazendo do meu querer o teu…
Emprestando-te as mãos, que percorreram meu corpo…

Mata-me apenas outra vez
Esta saudade que me queima
Mata-me apenas outra vez
Esta fome de prazer…
Percorre todo o meu corpo nu
Toda a minha alma despida

Sejamos carne e prazer…
Amemo-nos a cada madrugada
Dispamo-nos de pudores
E fodamos… até que os nossos corpos caiam extenuados
Na loucura de gemer em uníssono
Essa eléctrica descarga que nos percorre o ventre…
Na saudade do tempo em que te tenho
Apenas te quero, de novo…

Tiago Paixão
11:03 31/03/2021

Afúriadasaudade

Na saudade do tempo que tenho, há apenas o tempo que espero…

Na saudade do tempo que tenho, há apenas o tempo que espero…

Na solidão que nos damos, silêncio
Apenas duas respirações cortadas por um beijo
Suave, quente, que te nasce na nuca
Um morder de lábios, aprisionando o desejo…
Esse sonho de ontem que amanhã espero…

As horas também são feitas de saudade
Mas na verdade, em pranto espero
Que amor não são palavras, mas gestos
Que que fazer amor são cadilhos pequenos
E sexo, nada mais é que confirmar no corpo
A exultação maior da dádiva e orgasmo
Da união que gravamos na alma!…

Penetro-te profundamente a alma
Sem que me vejas,
Sem me encontres nos versos,
Consumação do desejo…
Nos espaços vazios dos versos e dedos…
Entre sonhos e desejos, entre silêncios e beijos…

Que se toquem os nossos olhares
Que te adentrem no teu corpo
Sem licença, sem contemplações
Todas as palavras, todo o tesão…
Provoco-te, deliciosamente
Provocação de me provocares…
Fiel ao desejo oculto no querer…
Não vejo, vendo o movimento
Das palavras que crescem em ti…

E espero… que os corpos se unam…
Nesse fulgor que a paixão imprime
Não importa o lugar, a hora
Apenas nós… apenas tu, apenas eu…
E este querer que nos condena…

Tiago Paixão
18:05 28/05/2021

Afúriadasaudade

Esperemos…

Esperemos…

esperemos o tempo e a vida e o depois
que a vida nos faça nos gestos, no querer
que se passeiem as minhas mãos na tua alma
que me deseje loucamente para teu prazer…

esperemos que a saudade se construa
que o corpo se reúna e se cure, beijo
que nos afrontem as palavras, perfumes
que se enlouqueçam os dedos, sabores…

esperemos na esperança do sonho
matemos o gemido que me nasce da alma
no orgasmo ofertado pelo sentir
que repouse nos teus seios
que me enlouqueças de novo
faz-me em ti servo do prazer
senhor do teu sentir
dono da alma no amor que entregas
excita-me, excitas-me
nessa luxuria com que te mostras
nessa loucura com que me esperas
ama-me, amar-te-ei
nesse gemido que me guarnece a alma…
ainda que a esperança se vista de desejo e de sonho…

esperemos, esperarei, esperar-te-ei… sempre…
até que o nunca se torne uma evidencia… do sempre…

Tiago Paixão
11:00 22/07/2021

Afúriadasaudade

Não é receio, mas saudade…

Não é receio, mas saudade…

fossem as palavras vitórias de Deus
fossem as palavras gestos livres de pudor
em gritos longos de paixão sem julgamento
voem livres as rimas e no chão as vestes
que a loucura faça sonhar os poetas…

não. não é medo ou receio da loucura dos orgasmos
mas há quantos dias não me fodes a alma
há quantos dias não me incendeias o espirito com tesão
com essa vontade férrea de te amarrar e de te possuir as ideias?
de te foder loucamente a vontade de conversarmos toda a noite?
quantos orgasmos ritmados perdemos sem olhar as estrelas?

quero-te, desejo-te…
vestida de mim e despida de preconceitos
quero-te de língua afiada, sem medos
sem receios, na pronuncia de tudo, dos pequenos nadas…
deixa que te falem as mãos e o corpo
que te incendeie o espírito na loucura do saber…
ama-me, penetra-me com as tuas certezas
fode-me a alma, depois, talvez depois
façamos amor, ou quem sabe
possamos foder até à loucura de nos doerem os corpos…

não é receio, mas saudade…
desses loucos preliminares inventados por Deus
a que chamam palavra, som, ritmo, gemido, poema…

Tiago Paixão
02:35 02/09/2021

Afúriadasaudade

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: