Coros alados…

Coros alados…

Anunciam em som celeste
Natividade das letras
Belas borboletas esvoaçando
Estômagos ávidos de beleza
Os versos líquidos de emoção
Vertem-se licorosamente pelo olhar
Amaciando a dureza da alma
Volúpia contida do querer
Sussurros angelicais, gemem rimas
Frases perfeitas que no acariciam os lábios…
Coros alados anunciam…
Cada poema que nasce…

Alberto Cuddel
03/12/2017
13:40
#Solutampoetica

Esqueçam-me

Esqueçam-me

Esqueçam-me
Não me sonhem
Não se atrevam
Na pronúncia ousada
De um nome obsoleto…

Esqueçam-me
As letras
As palavras
Os versos e rimas
Estrofes soltas
Livros,
Paginas soltas
Esqueçam-me…

Esqueçam-me
Não me sonhem
Não se atrevam
Na pronúncia ousada
De um nome obsoleto…

Alberto Cuddel
03/12/2017
13:34
#Solutampoetica

Cansam-me os desejos da carne…

Cansam-me os desejos da carne…

Cansam-me os desejos da carne
A fome, a sede, o dormir
O acordar, o levantar, o erguer
Cansa-me o vestir, o sair, o ficar
Cansam-me os desejos de prazer…

Sílabas doentes de uma alma prisioneira
Encarcerada num corpo anafado e pesado
Arrasto-me por versos enjaulados pelo julgamento
A liberdade é um sonho de um qualquer momento…

Reprimo-me dentro das limitações corpóreas
Confino-me à epiderme da aparência astuta
Parecendo ser quem nunca foi, reservando-me
Na alma, nos silêncios, ocultando-me nos espaços…

Cansam-me os desejos da carne que me são impostos
Necessidades arbitrárias de consumo…
Talvez não seja humano, talvez nunca o tenha sido…
Cansa-me ser apenas…

Alberto Cuddel
03/12/2017
13:25
#Solutampoetica

Esperança…

Esperança…

Nasceu-me a esperança em novo dia
Um novo acordar de cada dia
A cada dia nasço, a cada dia morro…

Nasceu-me no sol a alegria,
No calor das mãos outra energia,
Nos ribeiros que se enchem de sonhos
No verde dos prados…

A esperança, nasce-me em cada sonho
Em cada caminho ladeado de lírios
Nos passos firmes que me consolam
Na mão carinhosa que me guia…

Na mão que não me deixa cair,
Que da tentação que me desvia…
No olhar terno com que me fita…
Dia após dia…

Alberto Cuddel
01/12/2017
22:06
#Solutampoetica

Reconhecimento da falha…

Reconhecimento da falha…

Reconheço que hoje falhei, falhei redondamente na concretização dos sonhos de ontem, nada do que sonhei se realizou, nada do que planei, nada do que idealizei, logo reconheço-me como falhado, ainda assim ouso pensar a felicidade, numa perseguição atros e masoquista do sofrimento que a falha me traz…
Penso e decomponho os erros numa evidência sintomática tomando consciência plena de que não falhei, apenas o mundo conspirou no erro colectivo que me desviou das conquistas egoístas que tinha docemente congeminado para o meu dia perfeito…
Assumo, claro me assumo egoísta ferrenho do meu prazer… Mas o mundo derrubou-me fazendo-me percorrer o dia genuflectido como castigo ao comprimento dos desejos egoístas, para que do chão erguesse a cabeça e visse… e realmente vi… eu sou uma insignificância aos planos gerais do universo…. Eu mero ser orgânico de carbono…

Alberto Cuddel
27/11/2017
22:00
#Solutampoetica

Talvez tenha amado…

Talvez tenha amado…

De todas as vezes que amei,
talvez inconscientemente não o soubesse,
ainda assim dei-me, como quem se dá ao sono,
ou a uma qualquer perda de tempo…
Talvez tenha amado as horas perdidas,
Nunca teu corpo
Palavras soltas ou espera por respostas…
Talvez tenha amado um dia desinteressadamente
Mesmo assim sem reciprocidade
Amado apenas como um banho
Sabendo que a água não voltará
Mas eu sim… Ao mesmo lugar e ritual…
Talvez tenha amado, talvez ame…
Mesmo que não o diga em cada resposta…
Talvez saibas o amor que carrego
Lendo os gestos ordinários que mecanicamente executo…
Talvez seja isso… O amor…

Alberto Cuddel
27/11/2017
00:33
#Solutampoetica

Sentimentos

Sentimentos

Jamais sufoca-los em peito dormente
Extravasam em marés e ondas do querer
Latente toda a vontade do ser, realizar, fazer
Perco-me por entre bailados de melodias, olfacto
Desenhando cheiros e perfumes, odores…
Sentimentos, cores e flores…

Componho sinfonias, andamentos, palavras soltas
Ocas de vento, sedenta de beijo…
Sentimentos, um ou outro amor…

No vácuo preenchido pela reciprocidade
Predemo-nos um no outro, no encontro
Artes arrastadas e desenhadas em corpos em chamas
Fogo que arde, que se vê, que se sente…
Que queima por dentro a gente…

Somos musgo em presépio…
Estrela em céu despido…
Palha na manjedoura…
Somos tudo, somos vida
Somos paixão e sofrimento…
Somos fome
Sede
Alimento….

Alberto Cuddel
24/11/2017
23:45
#Solutampoetica

Enlacemos as mãos…

Enlacemos as mãos…

Enlacemos as mãos uma na outra,
Os sonhos uns nos outros,
Sonha-me como te sonho…

Enlacemos as mãos nos caminhos dos dias
Nos desejos das noites perdidas
Nos esforço e dor do sopro da vida…

Enlacemos as mãos, na tristeza da despedida
No conforto da chegada…

Deixemos as mãos enlaçadas,
Não nos separemos por nada
Com as outras livres, damo-nos ao mundo
E a todos os que na solidão não caminham de mão dada….

Alberto Cuddel
24/11/2014
22:30
#Solutampoetica

Num abraço tudo o que deixei… sonhos e desejos…

Num abraço tudo o que deixei… sonhos e desejos…

Tudo deixei num abraço, sonhos e desejos de tempo
No calor do teu corpo gravado no meu, e mãos
Que timidamente te percorreram as costas, o rosto…

Mãos trémulas no desejo de te percorrer todo o corpo
Lábios sedentos de beijos, olhos molhados na emoção…

No desejo nervoso que me percorreu
Apenas te queria arrancar dali,
Daquele lugar público e inóspito…

Queria amar-te,
Quero amar-te
Percorrer-te o corpo nas mãos
Nos lábios, nos beijos…
Sentir-te o perfume da pele
O sabor, a suavidade
Descobrir-te o prazer
O que te eleva, o que te faz…
Despir-te no abraço,
Despir-te a alma,
O corpo…

Quero-te
Quero-te comigo
Longe em qualquer lugar
Quero amar-te sem restrições
Sem contemplações
Sem medos…
Quero-te simplesmente
Para que também me saibas teu…

Alberto Cuddel
23/11/2017
14:15
#Solutampoetica

Duas horas e meia de sono…

Duas horas e meia de sono…

Duas horas e meia de sono
Ou o que restou de um sonho
Entre o dormir e acordar,
E no fim? Levantar,
os gatos não me largam…
Não sei o significado dos sonhos
Sei apenas que me tiraram o sono
Duas horas e meia de sono…
Umas seis depois disso…
Mesmo assim ele não chega
E o cansaço não se apodera…

Penso nos gatos,
Porque teria eu sonhados os gatos,
Porque sonharia com algo?
O cansaço da noite,
Diluiu-se nos sonhos,
Sonhando com gatos…

Alberto Cuddel
22/11/2017
18:20
#Solutampoetica

Porque eu te perdoo

Porque eu te perdoo

Anuncia-se em mim
O perdão que me dou
Para te perdoar em mim…

Percorremos o inexplorável caminho do erro
Amamos na humanidade que nos concedemos
Erramos, sim erramos por amar, por amor
No perdão que te concedo, perdoo-me…

Perdoo-me por ser fraco e mesquinho
Perdoo-me por não ter a tua lucidez
A tua garra, a tua incerta certeza, o teu querer…

Perdoo-me para que te perdoe,
quando o perdão chegar a ser questionado…

Perdoo-te pelo perdão que me colocas
No perdão que me concedo…

Alberto cuddel
22/11/2017
17:10
#Solutampoetica

Protocolado…

Protocolado…

Palmilhei a saudade como quem palmilha uma estrada plana,
Contornando os paralelepípedos desalinhados da calçada,
Não sei se te procurava,
Ou na vã esperança esperava ser encontrado,
Ainda que não perdido no tempo,
Sentia em mim plena angústia do tempo,
Que perdia e nas voltas que dava
Em busca de um beijo!

Protocolado que fora a saudade
Sentimento inexistente na presença
Busca inglória pelo léxico anglo-saxónico
A saudade e o seu protocolo
Subsiste à necessidade de afastamento
Ainda que tal seja momentaneamente angustiante
Outras há definitivas que nos mordem os calcanhares
Pela saudade do tempo,
Quem sabe de um beijo que ficou por dar,
Ou a mera memoria de um Amo-te silencioso…

Mesmo assim protocolamos que o saudoso sofre
Ainda que a saudade contenha alegria…

Protocolei que procurava
Ainda que nunca chegasse a encontrar
A saudade que a morte levou…

Alberto Cuddel
22/11/2017
05:40
#Solutampoetica

Choro

Choro

Choram secos botões de rosa
Sem água que os mantenha
Os dias chorosos são memória…

As estepes condenam os lençóis
Nada de nuvens a sul, oeste, nada
Apenas um areal seco, onde bobeavas amor…

Já não choras saudade,
Os dias arrastam-se, iguais a outros dias
Na indiferença de acordar,
Na indiferença de viver…

Seca carregas o ventre
Que um dia te fez feliz…

Alberto Cuddel
19/11/2017
18:22
#Solutampoetica

Cavalgada em prados claros

Cavalgada em prados claros

Seguimos lado a lado
Prados claros na paixão que nos guia
Lamechas como se queria…

Cascos na terra, arrastados no chão
Mente no ar, no fulgor da paixão
Rebolamos por verdes relvas
Mantando toda a sede de beijos
Soltos livres nossos desejos
Embrenhado e lindas selvas…

Jovial vontade, perdidos na verdade
Entre moitas, mantas e outros tantras
Corpos luzentes cavalgando tardes douradas
Rumo a uma noite de saudade…

Na amplitude dos pastos
Esquecemos a cerca montada
Até que da nossa liberdade
Não restará mais nada…

Alberto Cuddel
17/11/2017
18:20
#Solutampoetica

Reflexos

Reflexos

Perdem-se os dias no teu olhar
Esfumam-se no ar as palavra soltas
Olhas-te, no reflexo do rosto
Criança saudosa do tempo
O que perdeste, o que gastaste
Na inutilidade dos gestos, nas formas
Nos vales que continuam a florir
No mar que sobe e desce e torna a voltar…

Nos Verões e Invernos, Primaveras…
Sobram-me hoje os Outonos, os dourados
As rugas e olhos encovados, a memória
Uma ou outra lagrima, o arrependimento
Do desprendimento do Verão passado…

Hoje olho-me, num mero reflexo de quem fui
Mesmo que não tenha sido ninguém…

Alberto Cuddel
16/11/2017
20:10
#Solutampoetica

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: