Atreves te a sonhar o ontem

Atreves te a sonhar o ontem

Longe no horizonte o velho telhado,
Caído e derrubado como o tempo,
Fumegante braseiro arde em silêncio,
No ar cansado dormente do cão pastor,
Pastos despidos abandonados,
Chocalhos pendurados, imoveis,
Rebanhos extintos, ausentes,
E tu, sentado sonhando o ontem!


Alberto Cuddel®
08/01/2016

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: