Faz-se vida em mim

Faz-se vida em mim

o raio de sol entrou de repente em mim
como um gume metálico que me rasga a alma
um aliviar da força e da fé que se ilumina
fez-se fogo no madeiro e veio a luz…

rabiscam no meu íntimo uma ideologia
uma epifania descrita numa métrica fingida
como uma luz difusa que cruza o pinhal
cabelos de oiro e uma forma mística de má-fé
há um espectáculo de luz que me nasce dos dedos

numa estratégia de sobrevivência, fazem ninho
ali, no alto daquele verso, depois da vírgula
entre as hastes de uma consoante, e o berço de uma vogal

-não seria de esperar que nascessem…

depois do sol, a chuva irrigou-me os pés…
ganhei raízes e parti dali… agora sabia quem era
e o sol, o sol iluminava-me a face…

há uma obsessão indiciosa de auto-negação do que se é…
e isso revolta-me.… pois a poética é.… sente-se poesia
e ela não se define… apenas bebe-se como alma sequiosa
que tenta em vão matar uma sede que nos nasce…
E as palavras fazem-se vida em mim, como num altar…

Alberto Cuddel
16/07/2021
1:00
Alma nova, poema esquecido – XII

Rabiscos da busca eterna…

Rabiscos da busca eterna…

palavras obrigatórias
(gesto, sombras, hoje, bocas, breves, beijo, asas, chicotes, instante, terra, pregão, nosso)

há nesse pregão atirado ao acaso
uma fome de bocas, que se abrem
como se as sombras das palavras
nesse gesto incontido lhes saciasse a alma
são breves esses dizeres eclécticos
essas verdades furtivas que se estendem
e fogem de asas abertas a um mar nosso
ali, depois de ontem ou num hoje pedinte…

por um instante calo-me
[…]
é breve o silêncio que me corta o corpo
como chicotes arremessados por mãos estéreis
judas também o deu… um ósculo, um beijo
uma traição premeditada trazida à terra…
estava escrita, ele não a escolheu, foi escolhido…

escuto…
[…]
há esse silêncio que nos condena…
essa verdade cavernosa que nos come por dentro
a consciência…
e o olhar melancólico de uma mão estendida
e a minha, encolhida, vazia…
mas… no meu silêncio, arremessada como uma pedra…
atiro…
– desculpa, perdoa-me, nada tenho, além das palavras que me deram…

Alberto Cuddel
13º Desafio Livro Aberto 2021

15/07/2021
1:00
Alma nova, poema esquecido – XI

A vida que desconstruímos

A vida que desconstruímos

a vida é um caminho rustico sem destino traçado
e passamos pelo moinho, cruzamos pontes e rios
e segue-nos o céu, os dias e a s noites, e vamos
apenas pelo ter que ir, há quem nos empurre
em direção ao depois e ao precipício, ali, diante dos pés…

[…]
tenho sonhado muito, por entre esse arvoredo dos dias
de sonhar ninguém se cansa, porque sonhar é esquecer,
e esquecer não pesa e é um sono
sem sonhos em que estamos despertos.
em sonhos conseguimos tudo,
até fazer chover no deserto, ou rosas no teu regaço…
esse caminho que desconstruímos na travessia das dunas
nessas que se movem na noite ao sabor dos ventos
há um absurdo nesta vida real, onde sonhamos o desejo
nessa complexidade das relações humanas, na linguística
nesse querer negativo, nessa afirmação do não…
nesse jogo do prazer que é sem ser, sendo que não é…

e sonho, e sonhamos, e vivemos e acertamos
erramos, e caímos… e morremos, felizes por ter sonhado o impossível…
Sendo que ainda ontem nos amamos, ali junto ao vale
Depois do pinheiro hirto, mesmo antes da curva…
Lembras-te?… ou teríamos apenas sonhado de mão dada…

Alberto Cuddel
14/07/2021
09:15
Alma nova, poema esquecido – X

Imperfeição humana!…

Imperfeição humana!…

há nessa imperfeição humana
uma raiva incontida de ser duna
manobrada pelo vento como tendência
de ser vítima chorosa do sistema
como cana agitada pela brisa…

no caminho vistoso do campo
correm as nuvens carregadas
lágrimas caídas e choradas
de uma vida dorida e sem tempo

nessa imperfeição humana que é viver
clareiras de luz que nos habitam a alma
há esse mar de incerteza que nos acomoda
mas que nos cativa perfume de rosa…
lutam os reclusos por um beijo
conquista firmada da fertilidade
um luar, uma viagem às estrelas…
ó imperfeita capacidade humana
guerreira por um orgasmo…
entre o prazer de acordar
e um orgulho ferido…
o macho imperfeito prefere matar…

advenha-nos o deserto,
a fome do incerto e a partilha…
entre a água à mingua
e um madeiro que nos entalha os dentes…
é na carência que a imperfeição humana se esbate…
ou se unem e vencem… ou morrem matando…

Alberto Cuddel
13/07/2021
10:41
Alma nova, poema esquecido – IX

Às vezes em conversas comigo mesmo

Às vezes em conversas comigo mesmo

quantas vezes eu mesmo, que rio de tais seduções da distracção,
me encontro supondo que seria bom ser uma celebridade,
que seria agradável ser paparicado, que seria colorido ser magistral
mas não consigo visionar-me nesses papéis de píncaro
senão com uma gargalhada do outro que eu imagino sempre próximo…

assim sou eu… que me aplaudo mentalmente nos versos do romantismo
mas que me escondo por detrás das vidraças da gramática,
que evito olhar no espelho esta figura ridícula e anafada
mas que olha o mundo lá fora com uma timidez colossal
um dia escreverei o poema perfeito, o livro prefeito
desses que irão estar por dezenas de anos nas prateleiras
de enormes bibliotecas, que causarão espanto
quando o seu proprietário pronuncia o seu nome…
um dia escreverei esse livro, mas terá apenas título…
não, não quero que o meu nome o conspurque, que o diminua
será apenas livro, sem poeta…

depois olho à volta, e vejo… e levanto-me apenas para sentar de novo
e escrevo…
[escrevo… estupidamente…]
invento novas realidades por palavras conhecidas,
às vezes chove lá lora, mas invento dias de sol, e praias vazias
passeio sozinho por entre a multidão da cidade que não me vê
e detenho-me olhando duas tias que sentadas numa esplanada vazia tomam chá
invento as suas histórias, tão reais…
as suas vidas pecaminosas de luxuria carregadas de amores e amantes…
desses que se esgueiram pela porta dos fundos…

despois chego cansado do passeio… eu que nunca me levantei…
mas inventei o mundo… esse onde tantas vezes vivo…
se queria ser uma celebridade? como posso querer ser?
o que realmente sou em mim…

Alberto Cuddel
23/06/2021
19:00
Alma nova, poema esquecido – VIII

De quem sou, para onde vou…

De quem sou, para onde vou…

que vos importa quem sou, quem fui
de onde vim, onde estou, para onde vou…

se meramente quero ser árvore
não quero ir a lugar algum
sair de onde estou, partir
quero apenas estar, talvez seja isso
estar…

que venham as estações e os pássaros
que me caiam as folhas, que me colham as nozes
que me perfurem as entranhas
que venham os esquilos, os insectos
eu estou aqui, e aqui sei quem sou…

quem venham os fogos,
que me queimem as cascas
eu viverei noutro lugar…
sim quero ser árvore e estar…
ou meramente raiz, ou pedra
ser desgastada pelo tempo…
mas quero estar…

cansa-me mormente o ser
e essa vontade férrea de viver
de ser melhor, de mudar…
eu não quero mudar…
quero estar, será assim tão difícil?
apenas existir… apenas esperar?
Porque o tempo vem, quando tem de vir
Sem questões, sem dúvidas…
Apenas por que é o seu tempo…

Alberto Cuddel
23/06/2021
18:00
Alma nova, poema esquecido – VII

Desse purgatório fazemos o nosso paraíso

Desse purgatório fazemos o nosso paraíso

mil vezes morri, prostrado…
mil vezes ressuscitei
por uma dor mais vibrante
uma ausência confirmada
imposta contraria vontade
e um prazer mais torturado.

enquanto os olhos se esbugalham
numa imagem distorcida na memória
as doces curvas do teu corpo se contorcem
todo eu aqueço na longínqua distância
o nosso olhar pousado no horizonte
no desespero desse abraço mudo,
confessam-se diante de tudo
e por nada é o perdão concedido…

espelha-se no azul mar preso no teu olhar,
nas ondulações errantes do amor iluminado,
nudez do teu pensamento, sentir sagrado,
rubescidas em vagas de mar atrevido, amar!

tinjo de amor palavras,
que hoje desenho nos gestos
impregnando de doce perfume,
rosas que te nascem das mãos,
arrufos gravados nas areias do tempo,
lavados pelas marés, tolerante amor!

e depois, quando as noites nos chegam
brincamos com as sombras dos nossos corpos
iluminados pelos pirilampos do desejo…
tudo por nada, tudo se inicia no beijo…
diante do purgatório dos dias
reinventamos o paraíso, ali diante de nós…

Alberto Cuddel
19/06/2021
20:00
Alma nova, poema esquecido – VI

Dor da alma inquieta que há de partir…

Dor da alma inquieta que há de partir…

os meus passos soam no passeio
como um dobre ridículo a finados,
um ruído de espanto que nos acorda a noite
como uma gaiola ou uma janela.

separo-me de mim e vejo que sou
não que existo, mas que apenas sou
pela eloquência do estar vivo.

morreu quem eu nunca fui.
esqueceu a deus quem eu havia de ser.
da minha necessária morte
ninguém se lembra, não há coisa alguma a recordar
apenas era, antes de ser e de estar.

hoje ninguém sabe de onde vim
-nem mesmo eu…
apenas sei que pela palavra me fiz
entre o bolor dos livros, e as palavras dos antigos
obriguei-me a nascer poeta, antes de uma outra coisa qualquer
por isso fiz-me morrer, para nascer assim…

amante idiota das palavras por inventar…
-noivo de um livro por escrever…
viúvo de uma língua que se martiriza
por vergonha das almas velhas…

Alberto Cuddel
13/06/2021
03:00
Alma nova, poema esquecido – V

Vislumbres de lucidez de uma alma reclusa

Vislumbres de lucidez de uma alma reclusa

Há nesses vislumbres do mundo um olhar distante
Uma fuga rasgada aos sonhos, à realidade fingida
Eram ontem e todos os dias depois, reclusão
As portas abertas, as janelas também, e o medo…

As paredes negras sem luz, e a voz da vossa mãe
Mas fico, ficas, ficamos, e a vida lá fora, distante
Há nas árvores que se agitam ao sabor do vento
Um não sei quê de liberdade, não vão a lugar algum
Mas vivem livres na sua reclusão das raízes térreas…

Onde moram os pássaros, e os peixes dos lagos?
[eu que tudo tenho para fugir, fico-me olhando o mundo]
Nesse amontoado de pedras a que chamam história
Não rosna a minha alma, eu fiz-me meramente palavra
E nela livre, dentro do meu próprio universo…

Sou, para lá de cada pedra, de cada vidro, de cada porta
Sou para lá da existência, sou consciência, lágrima e riso
Na lucidez que a prisão me devota, eu sou tudo, poeta do mundo…

Alberto Cuddel
11/06/2021
23:20
Alma nova, poema esquecido – IV

Alma rasgada pelos espinhos da vida

Alma rasgada pelos espinhos da vida

cravei a fogo em lapide inclusa
rip aqui jaz um poeta sem versos…

esperei como quem espera o tempo que basta
como se o amanhã fosse agora e já não houvesse segredos
as árvores agitavam-se adivinhando o futuro
e partiam as andorinhas… as cegonhas, ai as cegonhas
e as garças e os patos… todos partiam…
e eu? e tu… ficamos ali, indiferentes ao passado que mudou
a um presente que não existe, a um futuro perdido…

e calaram-se os versos…
teceram uma coroa com os silêncios
e coroaram-no de espinhos…
as palavras trespassavam-lhe a carne
as metáforas, queimavam-lhe a pele
e as ironias e hipérboles secavam-lhe a garganta…
pelas três da tarde, chegaram-lhe à boca um poema,
a custo declamou um verso e expirou…

a biblioteca adormeceu, rasgada ao meio
entre a dor da perda, e a certeza de viver nela tudo o que sobra…
a palavra ressuscitou o poeta…

Alberto Cuddel
11/06/2021
03:00
Alma nova, poema esquecido – III

Cúpula do tempo

Cúpula do tempo

É nessa cúpula do tempo
Na dualidade de ser palavra
Que me divido, entre a loira e a morena
Tempo enraivecido pela pasmaceira das horas
Há um verde de esperança que me brota do silencio
E flui a conversa e o trago, entre um cigarro e o outro
Discutimos, discutimos longamente
Como um casal velho…
Eu e tu, maldita caneta que teimosamente não escreves…

(…)
Nesse vento distante que te agita os braços
Um sussurro veraneio, um chamamento
Um pedaço de vida que se agita, um cigarro cortado
Uma palavra fresca, solta assim na mesa
Como uma conversa distante sem nexo, sem sexo, apenas poema
E a vida acontece à mesa, ali à distância dos dedos
Palavra a palavra…
Enquanto se saboreia o tempo
Pleno de companhia…

Alberto Cuddel
11/06/2021
00:30
Alma nova, poema esquecido – II

Desafio de Ruth Collaço, Foto de João Gomez photography

Há essa voz de eco que o tempo esquece…

Há essa voz de eco que o tempo esquece…

eco do tempo que se faz voz em majericos
ecos da porta da igreja e a voz dos mexericos…

arrastas pelo chão o nome de mulher
na invenção de um leito de uma noite qualquer
dizes-te voz da consciência,
bates no peito em obediência
mas és meramente invejosa da vida alheia…
que as almas do purgatório te perdoem
e todas as outras que escorregaram na vida
solteiras à força de trabalho criaram uma filha…

há essa voz de eco que o tempo esquece
mas que o povo sábio enaltece, na letra de um fado
antes que a vida te leve, pelos bairros de alfama
és força vida entre o tejo e o sado…
amada por tantos os que te deitaram na cama…

ó mulher, doce mulher… onde te mora a liberdade?
na inveja de muitas, as que te escarnecem na rua
pura inveja de vida, por a sua sorte não ser a tua!…

Alberto Cuddel
07/06/2021
Alma nova, poema esquecido – I

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: