Sem princípio

não principio nem acabo nas palavras que escrevo
tudo é um vício que me consome
como uma tragédia, como um drama de um batalha que não começou…
não por uma insanidade ou um beijo histórico por dar
talvez como uma mensagem que nunca chegou,
por um tiro no peito que o matou!…

deixa a palavra reclusa na gaveta do esquecimento
deixa que a leve no bico a andorinha à chegada do Outono
sofra eu a perda como um cão sem dono
vagueando pelas estradas esquecidas e sem bermas.

assaltam-me o espanto e a dúvida
nesta guerra que me roubou a paz
nos diligentes caminhos da loucura
onde a vida é um mero jogo de palavras…

as letras devoram-me a carne
os ossos da mão que escreve
a luz fustiga-me as ideias
numa fome letal e voraz
consomem-me as sílabas, o papel…
letra após letra, após letra…
não principio nem acabo nas palavras que escrevo
tudo é um vício que me consome…

até que o aconchego do poema me abrace!…
na transparência do vidro constróis labirintos
caminhos tendenciosos rumo ao olimpo e aos infinitos
porque deuses somos todos nós…

Alberto Cuddel
13/06/2019

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Website Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers gostam disto: