Que jamais me desejes de novo…

Que jamais me desejes de novo…

que jamais me desejes de novo
neste corpo gasto senil…
nesta forma abjecta que sou pela erosão do tempo
que jamais te volte a ferver a carne,
nesse desejo de misturar teu corpo no meu
deixei de ser quem era para ser quem sou
um pedaço caminhante de massa carbónica
que sofre o pecado capital da gravidade…
que te importa o que sinto, o desejo da mente?
que te importa eu?
que jamais me desejes pelo nada que te posso ofertar!
“já te amava antes de te f@oder
nos contornos redondos da tua alma
nas formas voluptuosas dos teus seios
já te amava antes de te saber o gosto
o cheiro o perfume da pele
já te amava pela forma quente de articulares um “amo-te”
um “quero”, essa palavras quentes com que imploras ter-me em ti…”
hoje apenas te amo, já sem esse fogoso desejo da jovialidade
e nesse amor que ainda carrego como fardo que suporta a cruz
imploro, que jamais me desejes de novo…
mas logo depois desse teu orgasmo…
enquanto a pele te ferve, e a alma te arde
e todo o nosso mel te escorre pelas coxas…
e sim ama-me… e amar-te-ei… para sempre…
mas que jamais me deseje de novo…
Tiago Paixão
09/05/2022
afúriadapaixão

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: