Rasgamos as noites ao meio…

Rasgamos as noites ao meio…

repousam em água fervente
folhas secas sentir alheio
perfume das noites, madrugadas secas
estrelas cadentes em lua rubra…

mesclam-se fumos e perfumes de marés vivas
almiscarados e cloreto de sódio cetim molhado
bebemos em tragos longos, vicio do filho de Júpiter
fermentam as palavras no goto, dedos perfumados…

infundem-me prazeres que rumino
mastigo versos, apuro o desejo
[arte alva desnudada]
o amor é assim, uma infusão de tudo
na eternidade da nossa comum existência…
Entre os corpos molhados pelo prazer
Areia seca e pés descalços

afundam-se as palavras na mente
depois de bem maturadas,
quando tudo dão, na infusão do poema…
e cai a noite, depois do dia
a avida acontece ali, a dois, sem nada pedir
apenas pelo prazer da companhia…
noites de verão… ou simplesmente toda a vida…
a dois… entre a noite e o dia…

Alberto Cuddel
24/07/2021
07:30
Alma nova, poema esquecido – XV

3 thoughts on “Rasgamos as noites ao meio…

Add yours

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: