Vislumbres de lucidez de uma alma reclusa

Vislumbres de lucidez de uma alma reclusa

Há nesses vislumbres do mundo um olhar distante
Uma fuga rasgada aos sonhos, à realidade fingida
Eram ontem e todos os dias depois, reclusão
As portas abertas, as janelas também, e o medo…

As paredes negras sem luz, e a voz da vossa mãe
Mas fico, ficas, ficamos, e a vida lá fora, distante
Há nas árvores que se agitam ao sabor do vento
Um não sei quê de liberdade, não vão a lugar algum
Mas vivem livres na sua reclusão das raízes térreas…

Onde moram os pássaros, e os peixes dos lagos?
[eu que tudo tenho para fugir, fico-me olhando o mundo]
Nesse amontoado de pedras a que chamam história
Não rosna a minha alma, eu fiz-me meramente palavra
E nela livre, dentro do meu próprio universo…

Sou, para lá de cada pedra, de cada vidro, de cada porta
Sou para lá da existência, sou consciência, lágrima e riso
Na lucidez que a prisão me devota, eu sou tudo, poeta do mundo…

Alberto Cuddel
11/06/2021
23:20
Alma nova, poema esquecido – IV

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: