Apaguem-me a luz…

Apaguem-me a luz…

rasguem-me a alma e cosam-me a túnica
apanhem-me do chão, colem-me os cacos
ou apenas deixem-me, ali espalhado ao tempo…

apaguem a luz e partam… aqui nada há a ver…
deixei de me importar… deixei de viver…
que me advenham os ventos e tempestades
que me esqueçam as humanas almas…

que me enclausurem nos calabouços do tempo
sem esperança nas palavras que me anoitecem
rogo-vos celtas divindades que me tomem
que me levem na viagem eterna, sem luz e sem lanterna
sem a visão do caminho, que me deixem, só, sozinho…
não me importa o gelo eterno, ou o calor do submundo
apenas quero a paz do silencio, e a luta comigo mesmo…

vão, vão, desapareçam… mas apaguem a luz…

Alberto Cuddel 
22/05/2021 
12:00
In: Entre o escárnio e o bem dizer, 
Venha deus e escolha LXIV

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: