Luares de sangue

Luares de sangue

rasgam-me o peito as palavras ladradas e as cadelas no cio
nesses uivos contidos por sopros na noite…
há demónios soltos na planície árida de uma folha vazia

rubras são as horas negras da solidão
cálidos os pecados ocultos pela devassidão máscula
em doces palavras escritas por dedos trémulos
egos inflamados habitantes de decadentes corpos…

há lobos feridos em peles de cordeiro
e cordeiros mal vividos moribundos que se arrastam
curandeiros que os procuram, curam e domesticam
aprisionando-os em grades tépidas de algodão…

e fodem… sob o peso da lua que os esconde

esses lobos velhos em espíritos juvenis
como se morressem depois, felizes…
matando e ferindo a matilha alfa que deixaram
na segurança da toca…
há luares de sangue que se erguem no rebanho…

Alberto Cuddel
10/01/2021 05:02
In: Entre o escárnio e o bem dizer,
Venha deus e escolha VIII

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: