Hoje em tudo diferente…

Hoje em tudo diferente…

Momento inconstante e tudo muda,
O sol que dá lugar à chuva, os olhares,
Os gestos reprimidos, as lágrimas, o sorriso
Do nada, nada muda, tudo diferente, sem gente!
Existirá no mundo maior mentira
Do que o silêncio, as árvores a florirem,
Existirá maior traição
Que o sentir da palavras fora de tempo?
Haverá algo mais verdadeiro
Que escrever silêncios,
Com palavras nos versos?
Onde existir vontade, tudo muda
Tudo é verdade, acaba a mentira!
Ficam apenas o cantos dos pássaros,
Memória da água em ribeiro seco
O desejo do beijo, e um céu encoberto
Como lençóis cobrindo corpos estrelados,
E o silêncio,
O silêncio abafado da respiração ofegante
Nos dedos entrelaçados olhando o tecto!

Alberto Cuddel®
In: Tudo o que ainda não escrevi – 62

Fúria da saudade, insónia que te corrói…

Fúria da saudade, insónia que te corrói…

é na abstinência do corpo
nessa ressaca da alma
essa carência que te corrói
que te rouba o sono e os sonhos
essa falta de mim em ti…
apenas porque me amas…
essa falta do toque de midas
o calor das mãos, o perfume do abraço
essa presença que te acalma
sou, na normalidade do que sou
remédio cabal, tratamento eficaz…
há nos beijos prometidos, ainda não dados e não sentidos
uma saudade do hoje, uma vontade do corpo
uma carência de alma, de espírito…
queres-me, todo, totalmente em ti…
porque me faço gente, gememos de contente
sim, eu sou… antes de ser, não te fazia falta
não me sentias, não era em ti vicio…
hoje, mesmo na abstinência que o tempo nos faz
não há desmame, apenas ressaca e dor…
falto-te, faltas-me, nessa confluência dos orgasmos
desse prazer que se oferece, que te ofereço, em troca de nada…
nesta falta de tempo, neste desalinhamento dos astros
fica a saudade, e a dor que nos atravessa o corpo
que nos dobra o espírito…
nesta fúria da saudade, insónia que te corrói…
tremem-te as pernas, faltam-te os meus lábios, a minha língua,
o meu beijo, o meu toque, a totalidade do amor que ofereço…
rezas e oras, que o dia amanheça, e que o encontro aconteça
nessa explosão orgasmica do calor da voz, de um beijo…

Tiago Paixão
02/10/2020
03:10

Vives

Vives

Nos caminhos da memória
Esqueço e lembro,
Pedras que guardo nos bolsos
Balões presos nos punhos,
E uma bola que saltita entre os pés,
Lembro e esqueço,
Quantas vezes querendo esquecer
O nada que ainda lembro
Ou apenas lembrar
O tudo que ainda que esqueço!
No caminho da memória
Faço-te viver
Para que a história da vida
Não me faça esquecer!

Alberto Cuddel®

In: Tudo o que ainda não escrevi – 63

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: