Eu…

Eu…

sem voz e cheio de palavras
calo e grito filosofias
e grito e calo verdades
e esqueço os sonhos nunca sonhados
e os outros…
fui pai, plantei uma árvore, escrevi um livro, e outro, e outro…
e agora sonhar o que para amanhã…
se todos os sonhos do Homem morreram…

e atravessei a rua sem olhar…
com uma esperança vã
e comprei tabaco
e morro aos poucos
sem pressa…
porque há palavras a gastar
a ser escritas
a serem gemidas…

e vivo, sobrevivendo sem morrer
a uma dor que me consome…
há nessa floresta negra uma voz que me alegra
um bule que fala, uma rainha de copas
e tu… Alice…
nessa negritude iluminada, sem perspectiva do depois
e uma morte que não chega
um amor que não nasce,
alguém que se cala…
que não se mostra…

e tanto
tanto amor a dar…
soubessem eles o que é o amor
soubessem eles como receber o que há a entregar…

e veio o vento, e o transito em sentido contrário
e essa ideia de fim, sem vontade de acabar
apenas na esperança de um abraço, por quem o saiba dar…

Alberto Cuddel
03/08/2020
21:20

Poética da demência assíncrona…

2 thoughts on “Eu…

Add yours

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: