Na porta do tempo

Na porta do tempo

Já esperei sentado na soleira da porta, o tempo mediano da tua chegada
Na busca dos minutos cantados e batidos pelo relógio da torre
As calças curtas e chinelos gastos procuram a tua voz
Eco, desejo juvenil que ecoa no vale, chamas-me

O tempo lavou a memória que o tempo esqueceu
Mas espero na tua porta o que o tempo levou!

(…)
Nada encontro nos silêncios escondidos das horas
Nada procuro no barulho ensurdecedor dos dias
Apenas continuo à espera, sentado à porta do tempo!

Alberto Cuddel
15/12/2016

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: