Esquizofrenia perseguida

Esquizofrenia perseguida

Desisti de saber qual é o teu nome
Se por um acaso ainda o mantens
Na desventura da vida, da tua fome
Sopro da fama, incúria mantens reféns

Perseguição alucinada, dom que não tens
Mas na tua loucura todos de ti o desdenham
Vês sombras na noite, fantasmas sustens
Pobre poeta circunscrito, rimas aponham

Chamar-te a ti poeta -autor, talvez engano
Ainda que do grotesco seja gosto humano
Sejam as palavras que te envaidecem, enfim!

Desisto de opinar o que quer que seja
Da tua crença e louca pertença igreja
Tua loucura nunca me mudará a mim!

Alberto Cuddel
15/06/2017

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: