Contornos

Contornos

Dou de mim,
De um corpo vazio
Dou de mim,
Do que não tenho
Dou de mim,
Do que imagino
Dou de mim,
Do que em mim invento!

Penso, não sinto
Sinto, não penso
Corro, ainda parado
Paro, estando correndo!

Reinvento-me,
Reescrevendo-me no passado,
Vivendo nas memórias momentâneas,
Desprezo dos homens, traído sentir
Numa suicida ansiedade
De me diluir no tempo…

Sírio de Andrade®
In: Antologia Depressiva

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: