Abraço-te na eutanásia da saudade

Abraço-te na eutanásia da saudade

mata-me a saudade no teu abraço
estreite-se-me a alma entre braços firmes
habita-me com urgência o corpo
mata-me a fome de amar, faz-te em mim…

olha a imensidão das águas, senta-te comigo
espera entre nevoeiros a esperança de me ver chegar
regista na fé a certa virtude de permanecer no peito
neste amor interior que se fez em ti sede de viver.

amar-te-ei nesta virtude que mão dada
nesta cara simples, limpa e erguida,
amar-te-ei hoje, agora, amanhã também
ai onde crepita o tempo, onde se consomem as horas
amar-te-ei na sepultura da saudade,
neste amor sem vaidade
onde a fome se faz carne
onde a sede se faz abraço
onde o tempo não morre e pára
nesse orgasmo fálico,
onde a saudade se faz morta…

Alberto Cuddel

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: