Caí na rua

Caí na rua

desci à rua vendo a saudade passar
homens que tropeçam em algibeiras vazias
praças sem cor, sem luz, e os dias que passam
e livros que se queimam,
tempo que não se quer saber
e o saber nada é, com tudo no bolso
e mesmo assim, ninguém sabe quem foi…
são largas as palavras caladas
as que tropeçam nos dentes
as que reprimo, e as que choram lembrando
liberdade, essa de nada saber
como pensas se nada sabes?
caio na rua, moldando as mentes vazias
o poder, nas patas de cães disfarçados
de rebeldes amestrados que os conduzem pela mão…

Alberto Cuddel

23/06/2017

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: