Prostituí-me

Prostituí-me

a cada poema a que empresto o prazer
a cada rogo pelo gozo de ler de sentir
a cada palavra em que brilha o olhar
a cada fome de sentir sem saber dizer
empresto de mim a alma e o partir
dou as letras uma nova forma de amar

prostituí-me no sentir, amaste, sem pagar
pelo prazer que te vendi ao emocionar
a rogo, um filho perdido, partiu antes de tempo
uma mãe a homenagear, um amor por declarar
uma vida perdida, a ofensa de chorar
a rogo um jardim sem flores, uma casa sem amores
e eu? eu prostituí-me, pelo gozo de te ver chorar…

prostituí-me, por de mim te dar prazer…
se era poesia ou não, sei que te fiz gemer
por entre os dentes, de voz embargada
isto sim é poesia, nascida da vida, por nada…

prostituí-me, e muito mais de mim a rogo hei-de dar
vendo-me pelo prazer de mais almas emocionar…

se é poesia? não sei, mas a vida é um poema…
vivido por quem ainda se emociona…

Alberto Cuddel

4 thoughts on “Prostituí-me

Add yours

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: