O suave aconchego do poema.

O suave aconchego do poema.

Caí nos braços longos do poema
como quem se entrega à verdade!

Lua dormente que sombreia as letras
rasgos de sorte e de alma,
(e transpiro, transpiro, entre o sono e sonho)
enleio de prazer as tristes lágrimas de saudade…

Inquires-me os vocábulos pelos segredos de amanhã
por entre as palavras que chovem e cascatas de reticências
(mesmo assim escondo-me, ali visível diante do olhar)
esmiúço languidamente as palavras que beijam
(sinto nas mãos vazias corpos de luz, gemes…)

(…)
Amaro nesse mar que me ofereces
Em voos picados sem rede
As palavras essas ferem-me os silêncios
Num olhar profundo da cadência das ondas
E morro
tantas vezes morro
como quem deixa de viver
respirando de novo a cada sopro do teu sentir
apenas pelo prazer de renascer…

(…)
Aconchega-me a alma o poema
espraiando-me pelas areias do tempo
sem medida, escorrem-me como desejos
envoltos em maresias…

Alberto Cuddel
21/01/2019
18:29

4 thoughts on “O suave aconchego do poema.

Add yours

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: