Rua acima rua abaixo,

Rua acima rua abaixo,

Calçada portuguesa já gasta,
Em si a memória, do arrastar,
Movimento coxo do ardina,
Rua acima, rua abaixo apregoar,
Notícias fresquinhas da alta casta,
Ou os tamancos da nobre varina,
Com peixe fresquinho da lota,
Ai a saudade, dessa altura remota,
Onde cheia estava a rua,
De gente apresada,
Era o salto da alta-costura, o chinelo da criada,
Pé descalço do pedinte,
A pressa do contribuinte,
O carteiro, o pedreiro,
O caixeiro-viajante,
Rua outrora cheia de gente!

Hoje,
Calçada vazia,
Lojas fechadas,
Assim desprovida,
Do brilho das fachadas!

Apenas eu…
Serpenteando os desenhos,
Desta nobre calçada,
Subindo ou descendo,
Uma rua abandonada!

Alberto Cuddel

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: