A ti leitor incógnito

A ti leitor incógnito…

A única forma que tenho de te conhecer é não saber quem és, fazendo-te sonhar novos sonhos na imaginação de palavras que não são tuas, para sentir novas sensações terás que as sonhar a partir de uma alma nova contruída sob absolutamente nada do que conheço. Inventem amores que separem as águas, que trespassem oceanos de lagrimas, mas leiam-me em silêncio, chorem copiosamente sob o sol abrasador do Verão debaixo de uma árvore que nunca nasceu. Leiam-me, perscrutem-me a alma, adivinhem-me, num exercício puro de adivinhação e leitura da sina, no final apenas encontrarão a vossa própria vida segundo o vosso sofrimento de causa.
Não é nos largos campos ou jardins que vemos chegar a Primavera, é no ar, no voo dos pássaros, nos rios as águas do degelo, na alma, o calor das palavras frias escritas a negro sob folhas amarelecidas pelo Inverno. A ti leitor incógnito apenas te ofereço a mais exacta noção de me conheceres, ilusoriamente sob o conhecimento do julgamento que fazes segundo o teu viver! A poesia é coisa impropria para quem a alma deixou de sonhar, por que a poesia é sonho, e sonho é a essência exacta da vida. “O homem sonha, a obra nasce e o futuro acontece, segundo o que fora previsto”.

Alberto Cuddel
29/09/2018
Algures na casa onde habitualmente moro, mesmo ao lado da casa da vizinha!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: