Queda nostálgica da noite, ou a morte…

Queda nostálgica da noite, ou a morte…

Há horas em que apenas morremos
Não há em nós nada, nem dia, nem noite
Um coração cheio de um vazio perpétuo.
Não há visão do teu corpo,
Que me altere este cego destino.

Pálido rosto sem vida, sem sangue,
Que desagúe em noite claras,
Deixa transparecer este semblante
Triste, enfadonhamente branco…
Saibas que mesmo que tentes, 
Não há em mim nenhuma outra forma,
De renascer nas rosas espalhadas pelo leito.

Desprezo-me na ambiguidade do que sou
Em que me entendes, nas pedras espalhadas
Escorregadias do leito da vida,
Não me suportam, mas incitam-me à queda
Perpetuação da noite, nostálgica 
Ao abismo de mim próprio…

Alberto Cuddel

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: