Poema do dia 30/06/2018

Poema do dia 30/06/2018

Diante de mim todas as páginas vazias, por uma certeza concreta de que amam os que nunca sentiram, amar é o ateísmo extremo de doação, numa atitude gratuita de sofrimento…

Amo porque sim, sem mais nenhuma razão
Apenas pelo acto masoquista de me dar…

A luz subitamente estilhaçou-se pelo inferior da sala, as palavras arrastaram-se sem sentido, os dois corações desconfiadamente afastam-se… as paredes oprimem os gritos surdos, e Deus? Esse que ninguém chamou e quem ninguém devidamente crê…

Diante dos dedos direitos, as linhas tortas de significados vazios, em poemas simples, rimados…

Se arte existisse escreveria romances, tragedias gregas dos meus dias, e suicídios de Shakespeare, morreria de amor todos os dias… apenas se pode morrer por amor, viver dói de mais…

Alberto Cuddel
30/06/2018

2 thoughts on “Poema do dia 30/06/2018

Add yours

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: