Poema do dia 05/06/2018

Poema do dia 05/06/2018

Dispo-me das marés que sobem
Dunas cheias de vento e cactos
Não há dia, nem sol, apenas tarde
Uma noite que me cai na alma
Esta saudade de não te ver chegar!

Olho a vida distante num poema inacabado, uma vida ceifada pelo destino, um amor que seria, e não chegou a meio, embalam as ondas os barcos, gaivotas que pairam, cadencia do mar, num vai e vem, para nunca mais votar, a quem tão queria bem… perco os passos olhando o horizonte, lágrimas que me molham os pés, notícias de ontem… nunca aceitarei este negro que me veste, por ti, que nunca partiste na semente que carrego no ventre…

Dispo-me das marés que sobem
Dunas cheias de vento e cactos
Não há dia, nem sol, apenas tarde
Uma noite que cai, que me abraça
Que me enlaça pela cintura
E sinto na brisa do tempo
Ainda os teus beijos salgados
Doces, ternos e molhados…

Alberto Cuddel
05/08/2018
12:20

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: