Nem as horas do dia, nem os tempos da noite

Nem as horas do dia, nem os tempos da noite

Relógio do tempo que escorre
Como na borda do copo alto
Vinhos dos dias, alegria
Esquecimento dos goles da noite…

Deuses caídos no pranto
Verões que desesperam nos trópicos
Ninfas húmidas que se enroscam
Palavras metaforicamente despidas
 – oh prazer em tuas mãos!

No vácuo da multidão,
Mão que se roça nas coxas,
Solidão das horas,
Relógio compassadamente ritmado,
E o sonho de um leito quente…

Não creias que sonhe,
Ou meramente deseje,
Fulmina-me a crença
Mulher que meus ponteiros 
Hirtamente moves…

Os tempos da noite
Arrastam-se pela manhãs em desespero…

Alberto Cuddel
14/03/2017
13:00

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: