Poema XXIII

Poema XXIII

Palavras que me cortam o vento
Passos secos correm em direcções opostas
Vírgulas separaram tardes e manhãs
Lua que me expulsa os girassóis…

Rochas que se arrastam no leito
Correntes descendentes de lama
Chuvas de Agosto… onde vais?

Encantamento de rimas que desaguam
Asas trespassam os montes secos
Rosas que nunca floriram
Tulipas que nunca cheiraram teu rosto!

Saudade nunca vivida no gosto da língua
Dedos que nunca te provaram as carnes…

Escorregadia calçada dos dias,
Circulando entre sombras e buracos
Caindo a cada ausência… no pranto…

Alberto Cuddel
04/10/2017
11:30

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: