Poema XI

Poema XI

De onde me nascem todos os beijos
Por entre rosas de espinhos em botão
E margaridas que não abriram…

Nos perfumes doces das arábias
Trazidos por andorinhas perdidas
E viagens aladas de lençóis de linho…

No bordo da tua saia, encontro-me
No desejo absoluto de me perder
Por entre madrigais e pedras do caminho…

Ó saudade das vinhas e das idas
Das partidas e chegadas, das letras
Escritas perfumadas, nas mãos do carteiro…

Tudo tão moralmente diferente,
Rebatido aos olhares do mundo,
Eu e tu, e mais nada oculto das mãos…

Alberto Cuddel
#comofazeramor
25/04/17
19:50

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: