Recebe-me

Recebe-me

Recebe-me apenas em teus braços,
Deixa-me dormir em teu regaço,
Quero apenas acabar com cansaço
Estampado em mim, finos traços,
Desgaste outonal, corrida veraneia,
Noite serena, preenchida lua cheia!

Recebe-me apenas em teus braços,
Como os filhos no ninho a cotovia,
Reforça hoje amor os nossos laços,
Afaga-me os cabelos, forma lascívia,
Beija-me, demora-te, volta amar-me,
Recebe-me, agora, volta a beijar-me!

Recebe-me apenas em teus braços,
Confirma-me de novo com ontem,
Renovadas que estão os sonhos,
Os novos quereres que agora existem,
Assim me dou, com apenas um pedido,
Recebe-me apenas em teus braços!

Alberto Cuddel
26/08/2015

Família ameaçada!…

Família ameaçada!…

Ontem…
Mulher casada, empregada arrumada,
Sai o homem a trabalhar, casa arrumar,
Roupa para lavar, chega, janta preparada,
Conversa de treta, dinheiro da jornada,
Pernas abertas, voltou a emprenhar,
Mais um filho a cuidar, fraldas a lavar,
Ensinar, educar, lavar, passar, arrumar,
Há noite a janta, chega conversa da treta,
A sogra doente, a mãe dormente, até os velhos,
Roupa a reparar, o campo a regar, ai os joelhos,
Escrava, da vida, do tempo, ao domingo,
A missa, os miúdos, mas nada de demorar!

Hoje…
Mulher casada, casa desarrumada,
Chega a casa do longo trabalho,
Depois de ir à escola e infantário,
Entra a porta com razão chateada,
Marido chegou cedo, e jantar nem vê-lo,
Mesmo que queria não sabe fazê-lo,
Fruto da educação da mãe de ontem,
Para não estar a ouvir sai ao café,
Com tanta cerveja ainda de pé,
Volta a casa já bastante anestesiado,
Cai na cama, amanhã é feriado,
Flores, cinema, prendas, para quê,
Se me quisesse agradar esperasse a pé,
Homem que assim espera e se dedica ao ócio,
Ao outro dia só um caminho, o divórcio…

Sonho…
Casal casado, casa que é lar,
Ele chega primeiro, lá está o jantar,
Os filhos, planeados, bem-educados,
Nem os sapatos fora, todos arrumados,
Tarefas partilhadas, tempo de namorar,
O tempo, mesmo que escasso, dá para falar,
Sair, passear, viver, criar, sonhar,
Dá até para ao fim do dia ver o sol pôr,
O tempo dá para tudo, até fazer AMOR!

Se hoje os dois decidirem sonhar,
A felicidade não é uma miragem,
E a família unida se irá sustentar!

Alberto Cuddel
(Casei por Amor, pois não tinha interesse nenhum na empregada de ontem)
28/08/2015

Inverno da Vida

Inverno da Vida

Gélida brisa que nos arrebata,
Na terna queda da folha dourada,
Suave perfume da castanha assada,
Audíveis sons com que é apregoada…

Frio que converte, em calor o sentimento,
Calor que nos tira do perfeito isolamento,
Juntos revolvem memorias passadas,
Pelo suave cheiro das castanhas assadas…

Em queda como a folha,
A vida de vai esvaindo,
Abandonando passo-a passo,
Os nossos envelhecidos corpos…

Vivem cada momento,
Meditam e recordam,
Ao sabor do vento,
Alegrias, tristezas,
Dias, meses, certezas,
Duvidas, segredos,
Da vida que lhes foge,
Por entre os trémulos dedos…

Ficam as memorias, palavras ditas,
Fica a saudade pelas ideias escritas,
Os dois, que só um formaram,

No fim dos seus dias se separam….

Alberto Cuddel
30/11/2013

Porque esperas?

Porque esperas?

esperas do tempo uma resposta,
esperas do tempo uma atitude,
reclamas, balbuciando do tempo,
reclamas, agastado pelas atitudes,
reclamas do tempo que faz,
do estado das coisas,
das coisas do estado,
do estado da saúde,
do estado da educação,
da educação do estado,
do estado civil,
dos civis que trabalham para o estado,
do estado do trabalho,
da falta de trabalho,
do pagamento do trabalho,
mas com tanta reclamação,
ainda continuas sentado?
afinal, como chegamos a este estado?
se reclamamos e nada é mudado,
talvez seja tempo,
de mudar de estado!…
e passarmos ao gasoso…

Alberto Cuddel
28/08/2015

Janela de luar…

Janela de luar…

Segue a noite plena de teu corpo,
Prateado reflexo de tuas curvas,
Inundas-me o olhar, louca sedução,
Nas eróticas sombras projectadas,
Pela ténue luz de ter ser emanada,
Lua mulher, abrigo dos amantes,
Noites quentes, perdidas,
Encontradas por ti em teu seio,
Testemunha silenciosa dos gemidos,
Das juras, das trocas de fluidos,
Mãos que se cruzam no ar em ti,
Corpos que rolam no chão,
Ao som silencioso do teu
Quente e prateado luar!

Alberto Cuddel
29/08/2015

Sedução da Noite,

Sedução da Noite,

Não se fiquem pelas promessas da noite,
Assumam por inteiro o dia em vossas vidas,
Na noite cegamos pela paixão da parca luz,
No dia assumimos a visão global do todo,
Do bem e do mal, desejo e contradição,
A cima de tudo o dia é já decisão!..

Alberto Cuddel
30/08/2015

De entre tudo o que somos…

De entre tudo o que somos…

um abraço, um decote provocador
um toque na face, o sentir da pele
a mão no cabelo, o cheiro, ameaça de beijo
o teu corpo contra o meu,
o meu contra o teu,
a rubra imagem…

o início da viagem, o beijo desejado
o busto despido, os seios hirtos
o querer e a volúpia, o toque de mãos
a minha boca na tua, a minha língua na tua
e tu, ali em mim, para mim, nua,
que sejamos tudo, apenas um no outro
sejamos, amor, vontade, tesão
queira eu sentir-te na mão, teu cheiro nos dedos,
sem pudores, sem receios, sem medos
apenas nós, eu tu, e nos mesmos…

dispamo-nos diante das almas nuas
sejamos desejos meus, nossos, mãos tuas,
toquemo-nos, conheçamo-nos,
percorrer todo o teu corpo nos lábios
sentir-te o sabor na língua, na boca
lambuzar-me em ti, beber-te
oferecer-te todo o prazer,
todos os gemidos e gritos da alma…

toco-te, tocas-me, tocamo-nos,
excitamo-nos no beijo, na loucura
possuímo-nos, de todas as formas
de todas as posições conhecidas
desconhecidas de nós mesmos
até que todo o amor se liberte de nós…
num uníssono grito orgásmico…
até que o prazer nos liberte…
da prisão de nós mesmos…
ficando apenas imóveis
e as almas dormentes num abraço…

enquanto nus nos amamos olhando o tecto em silêncio
apenas no abraço… ofegantes…

Tiago Paixão
02/11/2017
13:00

Ama-me antes que chegue…

Ama-me antes que chegue…

ama-me antes que chegue, enquanto me pensas
enquanto te desnudas de cada peça,
enquanto sentes a água escorrer no corpo…
ama-me no roçar da toalha na pele quente…
ama-me enquanto me esperas, enquanto te vestes…

quando eu chegar, por favor não me ames…

fode-me como se o mundo acabasse ali…
enquanto a minha boca te percorre o corpo
te sobre pelas coxas… enquanto me bloqueias entre as tuas pernas…
não me ames… fode-me…

e logo depois do teu orgasmo…
enquanto a pele te ferve,
e todo o nosso mel te escorre pelas coxas…
e sim ama-me… e amar-te-ei… para sempre…

Tiago Paixão…
22/09/2021

Nesse querer que se faz em ti…

Nesse querer que se faz em ti…

Quero-me nesse olhar que me fita
Nesses rubros lábios que me desejam
Nesse beijo quente que me devora
Nessa pele que me chama…

Quero-te nas quentes palavras,
No abraço onde te prendo
Na tua pele contra a minha…

Quero beijar-te a boca, os lábios, a língua,
Quero beijar-te os seios, senti-los
Sentir-te nos dedos, sentir na língua a tua pele
Quero-te… quero a minha cabeça entre as tuas coxas
Meus lábios nos teus,
A minha língua conquistando a loucura…
Quero-te minha onde for…
Desde que seja por amor…
Por essa vontade de paixão
Por esse querer e tesão…

Que nos importa o mundo
E tudo o que é certo ou errado
Nesse segredo do pasmo
Queremos o prazer, o orgasmo…
Esse desejo de nos termos
Onde quisermos… por nós mesmos…

Tiago Paixão
07/09/2021

afúriadapaixão

Essa verdade de querer

Essa verdade de querer

Insinuas-te nessa provocação feminina
Nessa arte de sedução perfeita
Nesse querer de me possuíres em ti
Provocas-me, nessa partilha de paixão
Desprovida de vergonha, como se quer
Amas-me, conquistas-me, possuis-me
Inteiro pela visão dúbia do tesão
Amor, essa paixão que me prende
Força de vontade que me vence
Ali, mesmo ali, longe do leito
De tudo, de nada, aberto o peito…

Fodes-me…
Paixão religiosamente entregue como devoção
Oração fálica, que os deuses me protejam
Olho-te, olhas-me
Nessa confiança que te faz mulher
Sou teu, tao somente teu…
Como nunca fui de alguém
Porque tu és
Classe, paixão
Vontade e tesão
E possuis-me
Por inteiro
Apenas no olhar…
Amo-te, amas-me…
Amar-te-ei eternamente…

Tiago Paixão
05:35 01/03/2021

Afúriadasaudade

Na saudade do tempo em que te tenho

Na saudade do tempo em que te tenho

No despertar eléctrico de todas as sinapses,
O tremor e o desejo que me trespassa o corpo
Mãos preguiçosas que se movem pela roupa
Apartando os cabelos e os sonhos húmidos
Nesses momentos de sonho, onde me vejo
Existimos em nós mesmos pelo sentir da alma
Que se faz dor no corpo pela abstinência…

Cavalguem do nascer do sol todas as amazonas
Trote confusos de cascos, onde estas tu?
Que me manténs acordado,
Que me despertas na noite,
Que me fazes desejado,
A quem me entrego, nesta ausência
Seja a noite, curta, longa, ausente, distante

Fantasio realidades inatingíveis
Sonho beijos tangíveis afagando-me o corpo
Aplacando-me a sede e a fome de ti…
Quero-te, sonho-te em mim
Em delírios escondidos na alma
Querer que nem a imaginação acalma
Na força do toque, na dor que me trespassa
E a saudade do trote…
Cavalgando madrugadas
Fazendo do meu querer o teu…
Emprestando-te as mãos, que percorreram meu corpo…

Mata-me apenas outra vez
Esta saudade que me queima
Mata-me apenas outra vez
Esta fome de prazer…
Percorre todo o meu corpo nu
Toda a minha alma despida

Sejamos carne e prazer…
Amemo-nos a cada madrugada
Dispamo-nos de pudores
E fodamos… até que os nossos corpos caiam extenuados
Na loucura de gemer em uníssono
Essa eléctrica descarga que nos percorre o ventre…
Na saudade do tempo em que te tenho
Apenas te quero, de novo…

Tiago Paixão
11:03 31/03/2021

Afúriadasaudade

Na saudade do tempo que tenho, há apenas o tempo que espero…

Na saudade do tempo que tenho, há apenas o tempo que espero…

Na solidão que nos damos, silêncio
Apenas duas respirações cortadas por um beijo
Suave, quente, que te nasce na nuca
Um morder de lábios, aprisionando o desejo…
Esse sonho de ontem que amanhã espero…

As horas também são feitas de saudade
Mas na verdade, em pranto espero
Que amor não são palavras, mas gestos
Que que fazer amor são cadilhos pequenos
E sexo, nada mais é que confirmar no corpo
A exultação maior da dádiva e orgasmo
Da união que gravamos na alma!…

Penetro-te profundamente a alma
Sem que me vejas,
Sem me encontres nos versos,
Consumação do desejo…
Nos espaços vazios dos versos e dedos…
Entre sonhos e desejos, entre silêncios e beijos…

Que se toquem os nossos olhares
Que te adentrem no teu corpo
Sem licença, sem contemplações
Todas as palavras, todo o tesão…
Provoco-te, deliciosamente
Provocação de me provocares…
Fiel ao desejo oculto no querer…
Não vejo, vendo o movimento
Das palavras que crescem em ti…

E espero… que os corpos se unam…
Nesse fulgor que a paixão imprime
Não importa o lugar, a hora
Apenas nós… apenas tu, apenas eu…
E este querer que nos condena…

Tiago Paixão
18:05 28/05/2021

Afúriadasaudade

Leito…

Leito…

Vazio,
clama como uma armadilha,
pelo movimento sedutor
nossos corpos,
saudade do reencontro
perdido no tempo
vontade dilacerante
reencontro carnal,
da perfusão das almas
que habitam em nós,
geme por nós
cada um
na ânsia
de amar
deduzida
distância,
que nossos
corpos castiga
mãos ausentes
trémulos corpos
ávidos de beijos
carentes desejos,
possantes vontades
de dar corpo a verdades
que amor é uma loucura
carente que dura
a verdadeira eternidade,
expoente máximo da loucura
na sofreguidão da armadilha
onde a saudade alicia,
aos prazeres de novo dia!

Alberto Cuddel
31/08/2015

Esperemos…

Esperemos…

esperemos o tempo e a vida e o depois
que a vida nos faça nos gestos, no querer
que se passeiem as minhas mãos na tua alma
que me deseje loucamente para teu prazer…

esperemos que a saudade se construa
que o corpo se reúna e se cure, beijo
que nos afrontem as palavras, perfumes
que se enlouqueçam os dedos, sabores…

esperemos na esperança do sonho
matemos o gemido que me nasce da alma
no orgasmo ofertado pelo sentir
que repouse nos teus seios
que me enlouqueças de novo
faz-me em ti servo do prazer
senhor do teu sentir
dono da alma no amor que entregas
excita-me, excitas-me
nessa luxuria com que te mostras
nessa loucura com que me esperas
ama-me, amar-te-ei
nesse gemido que me guarnece a alma…
ainda que a esperança se vista de desejo e de sonho…

esperemos, esperarei, esperar-te-ei… sempre…
até que o nunca se torne uma evidencia… do sempre…

Tiago Paixão
11:00 22/07/2021

Afúriadasaudade

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: